Com atualização, Blippar permite fazer pesquisas sem digitar

Com atualização, Blippar permite fazer pesquisas sem digitar

O Blippar, aplicativo de sistemas de reconhecimento de imagens e realidade aumentada, anunciou, durante o SXSW, uma ferramenta de busca visual que estará disponível em uma nova versão de seu sistema, programada para abril.

A atualização permitirá que usuários identifiquem com o celular qualquer objeto físico ao seu redor, usando sistemas próprios de reconhecimento de imagem, banco de dados, realidade aumentada, geolocalização e inteligência artificial.

O app funcionará da seguinte forma: ao acessar o Blippar Visual Search, a câmera do smartphone irá reconhecer o objeto, então a imagem captada ativará o banco de dados da busca visual e responderá ao usuário com informações relevantes sobre o que foi pesquisado. Assista ao vídeo

http://www.proxxima.com.br/home/mobile/2015/03/26/Com-atualiza–o–Blippar-permite-fazer-pesquisas-sem-digitar.html

McDonald’s cria 24 horas de experiências interativas pelo mundo

Caixa de Big Mac que toca música, cabine de pedágio que vira drive thru, Jessie J. ao vivo no transporte público. Pode parecer estranho, mas essas coisas tem algo em comum: Fazer você amar tudo isso!

O McDonald’s está promovendo hoje (24) uma série de ações pelo mundo. E o dia não poderia ser outro, são 24 eventos em 24 cidades diferentes no período de 24 horas. A série faz parte do movimento Imlovinit24, um projeto com o objetivo de posicionar a marca nas redes sociais e conectar-se com o público jovem.

Entre as cidades estão Sydney, Tóquio, Dubai, Madri, Nova Iorque, Rio de Janeiro, Buenos Aires e outras grandes capitais. As experiências vão desde um show da cantora Jessie J. em um ônibus em Londres até uma cabine de pedágio que se transforma em um drive-tru distribuindo combos grátis nas Filipinas.

Através do site Imlovinit24.com os usuários podem acompanhar todas as experiências em tempo real, além de compartilhar as fotos feitas pelos participantes em cada país.

Na América Latina, Brasil e Argentina são os únicos envolvidos. Por aqui, a ação criada pela DM9DDB acontece na praia carioca do Neblon, onde uma máquina distribui cupons que dão direito a um sorvete ou uma bebida gelada. É então que começa o desafio, o sortudo tem que correr para trocá-lo no McDonald’s mais próximo já que o cupom, esculpido em gelo, começa a derreter rapidamente.

“Essa é uma ação que mostra os novos caminhos irreversíveis da comunicação global, em tempo real e com recursos integrados e interativos. É uma experiência local, mas com concepção toda digital para ampliação da audiência para que mais pessoas no Brasil e no mundo tenham a oportunidade de vivenciar a ativação no Rio de Janeiro”, comenta Igor Puga, Chief Interactive Officer da DM9DDB.

A rede trabalha para desviar a imagem de grande anunciante de mídia tradicional para um produtor de conteúdo próprio. A aposta estratégica para alcançar as pessoas que estão em “movimento nas telas” inclui a estruturação de uma equipe própria de digital, a começar pela contratação de Atif Rafiq, primeiro chefe digital da marca.

Redação Adnews

24 de março de 2015 · Atualizado às 15h23

http://www.adnews.com.br/publicidade/mcdonald-s-cria-24-horas-de-experiencias-interativas-pelo-mundo

Game mobile dá desconto para homens que esperam compras das namoradas

Para ativar e divulgar a Quarta de Estilo do Shopping Iguatemi Porto Alegre, com primeira edição marcada para o dia 18 de março, a DM9Sul criou uma aplicativo especial, pensando naqueles que não gostam muito de acompanhar a maratona de compras das mulheres.

O app The Boyfriend’s Game traz um jogo que fornece cupons de descontos e benefícios em lojas e serviços do shopping, de acordo com a pontuação. O objetivo é garantir a distração de quem fica esperando e, ao mesmo tempo, estimular boas oportunidades de novas compras com promoções, já que 39% dos usuários de internet no Brasil estão conectados à rede via dispositivos móveis.
O aplicativo já está disponível para smartphones com plataforma Android e, em breve, também poderá ser baixado por usuários de iPhone. A expectativa é que o app opere continuamente durante todo o ano e que os jogadores possam acumular pontos para serem trocados por descontos nas Quartas de Estilo. Embora o aplicativo seja voltado para quem espera, também poderá ser usado pelo próprio cliente que desejar participar da promoção.

Ficha técnica:

Agência: DM9Sul
Cliente: Shopping Iguatemi Porto Alegre
Título: The Boyfriend’s Game
Presidente: Márcio Callage
Vice-Presidente de Criação: Marco Bezerra
Diretor de Criação: Rodrigo Pereira e Everton Behenck
Head of Art: João Pedro Vargas
Criação: Fabrício Pretto, Fernando Rihan e Thomás Lugrís Paiva
Diretor de Atendimento: Claudia Schneider
Atendimento: Ângela Sosa, Anna Fiedler e Camila Barreto
Diretor de Mídia: Sílvio Calissi
Mídia: Daniela Dalcin e Luciano Mallman
RTVC: Thiago Vanigli e Bernardo Silva
Produção Gráfica: Mariene Braga
Produção Digital: Mariene Braga e Débora Roth
Desenvolvimento: Pipe Digital
Produtora: Marcelo Stifelman
Aprovação Cliente: Cintia Kunzler e Cintia Marques

Fonte: 16 de março de 2015 · Atualizado às 16h14

http://www.adnews.com.br/tecnologia/shopping-cria-app-para-homens-conseguirem-descontos-enquanto-esperam-namoradas

A obsessão da Geração Z com dados: bits e bytes são o novo commodity

Semana passada no Mobile World Congress, a Telefôica anunciou que está testando um plano que possibilita que os consumidores troquem engajamento por mais dados.

Pergunte a qualquer pessoa da geração Z sobre o telefone deles e uma das primeiras coisas que eles vão dizer é que estão com medo de ultrapassar o limite mensal de uso de dados e que estão pensando em jeitos de economizá-los. Propagandas, aplicativos e sites são comumente conhecidos por sugar a bateria e os dados, porque até hoje as marcas ainda não otimizaram suas plataformas para o uso no mobile.

Se o ano passado nos deu qualquer indicação sobre o futuro do mundo conectado, nós aprendemos que, embora o hardware do smartphone não seja caro, o custo real para entrar no mercado mobile é atribuído ao uso de dados. Em um mundo hiperconectado por meio dos dispositivos móveis, bits e bites são o novo commodity. Se nós, como anunciantes, teremos sucesso em capturar a atenção do consumidor enquanto ele se preocupa com o uso de dados, vamos precisar estar cientes e respeitar esse uso.

Como evolução dos primeiros dias de modelo de consumo entre anúncios e novelas, há uma nova troca entre os anunciantes e o commodity de atenção dos consumidores. Então o que os anunciantes estão fazendo – e o que nós deveríamos estar fazendo – em relação a essa necessidade crescente e global dos consumidores por dados móveis?

É preciso um novo modelo de anúncio
As conversas no começo de 2015 se debruçaram sobre novos modelos de monetização e as implicações para anunciantes que procuraram criar experiências significativas para o público quando a dependência da internet é crítica. Como os editores geralmente se apoiam em modelos de anúncio para ganhar alcance de audiência, anunciantes têm feito o mesmo. Entretanto, quando o consumidor está interagindo com uma experiência de um anúncio no mobile, um novo modelo de propaganda talvez seja necessário. Como demonstrado pelo anúncio da Telefônica, as marcas podem, idealmente, trocar o seu custo em dados pela interação do consumidor com a marca.

Estamos começando a ver essas jogadas no mercado geral de massa, com marcas como a T-Mobile tentando “esconder” seus planos de dados para economizar os dados não usados mensalmente. E, recentemente, o McDonald’s, sabendo do crescimento do status dos dados como moeda, anunciou que irá oferecer aos consumidores da Filipinas mensagens de texto gratuitas quando eles comprarem comida.

Mas não se trata apenas de encontrar uma solução para a tecnologia. Precisamos focar no contexto do consumidor e olhar sob sua perspectiva. Se tratarmos os dados como commodity e encontrarmos maneiras de dar aos usuários uma troca pelas suas angústias com dados, nós encerramos um ponto racional (e às vezes emocional).

Oferecendo bônus de dados para a Geração Z
Os anunciantes vão precisar prestar muita atenção no consumo da Geração Z e pensar criativa e estrategicamente em maneiras que as suas marcas poderão oferecer “bônus de dados” aos seus consumidores por passarem algum tempo interagindo com as marcas. Seja dando a eles oportunidades para assistirem a um vídeo, jogarem um jogo, ouvir música ou passar tempo em um site mobile, os anunciantes devem pensar em maneiras de engajar os consumidores que não irão contra seus planos de dados. Como uma recompensa pelo engajamento, os consumidores poderão conservar dados preciosos.

Por exemplo, vamos dizer que um comprador da Geração Z esteja olhando a coleção de outono de sua varejista predileta e, depois de alguns minutos de atividade no site mobile, ele recebesse uma notificação dizendo que, se ele fizer comprar, os dados usados no site seriam gratuitos pelos próximos cinco minutos.

Considere o tempo livre em um aeroporto ou numa sala de espera, quando os consumidores rapidamente voltam a sua atenção para os smartphones. As marcas poderiam recompensar os consumidores informando que eles estão em uma área “data-free” e marca está picking uo the tab na data usada enquanto eles visitam seus sites. Ou músicos que querem divulgar seus álbuns por meio de um site de streaming poderiam oferecer esses downloads como presentes “data-free” para seus maiores fãs.

As vantagens para os anunciantes é que eles não somente criam experiências de entretenimento para sua audiência, como também providenciam utilidade e valor para o consumidor, que, por sua vez, ajudam a mudar a percepção da marca. Os anunciantes que pensam primeiro na necessidade do consumidor ganharão esse espaço.

Este pode ser o início de uma nova era de ouro para o mobile e a publicidade, parecido com os primeiros dias das novelas e tvs. É hora das marcas começarem a pensar em maneiras de, não somente criar algo útil e divertido para as suas audiências, mas também de tratar da crescente obsessão dos consumidores por dados – o novo commodity.

(Proxxima)

varejo digital – 13 Mar 2015

http://www.gsmd.com.br/pt/noticias/varejo-digital/a-obsessao-da-geracao-z-com-dados-bits-e-bytes-sao-o-novo-commodity

Marcas apostam nos próprios emoticons

Emoticons da Coca-Cola

Do AdNews

Apesar da sua enorme penetração no mundo digital, o que talvez muitos não saibam é que o emoticon não é algo que surgiu neste século.

Há 30 anos, o professor Scott Fahlman enviava a primeira combinação de caracteres para expressar sentimentos.

Ao mesmo tempo amadas e odiadas, o fato é que as tais carinhas para expressar sentimentos são absolutamente populares e utilizadas em todo o mundo.

Praticamente um dos ícones das conversas virtuais, a novidade é que recentemente, como mostra essa matéria do Adweek (veja aqui), os emoticons passaram a fazer parte da estratégia de comunicação das marcas.

Não à toa, a Mentos acaba de anunciar novas figurinhas para os seus “ementicons”. Seja emoticon ou emoji, marcas como Ikea, General Eletric, Comedy Central já contam com o recurso para envolver os consumidores de uma nova maneira.

Em Porto Rico, por exemplo, a Coca-Cola criou 30 “emoticokes” recentemente.

Para muitos, essa tentativa de estar ainda mais presente no dia a dia do consumidor pode ser algo banal. É necessário observar, entretanto, que a iniciativa sinaliza um cenário mais abrangente: no ambiente digital as marcas não disputam a atenção das pessoas apenas com concorrentes, mas também com os amigos, colegas e familiares desses indivíduos.

Veja abaixo as almôndegas suecas da Ikea:

Reprodução/Adweek

As almôndegas suecas da Ikea

As almôndegas suecas da Ikea

MARKETING – 11/03/2015

http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/marcas-apostam-nos-proprios-emoticons

Consumo de mídia em phablets aumenta 148% no mundo

Com a alta, os phablets ajudaram a proporcionar um aumento de 78% no uso de dispositivos móveis em geral

Do Teletime

São Paulo – Após o fenômeno dos tablets, agora é a vez dos phablets, em particular depois do lançamento do iPhone 6 Plus e do Samsung Galaxy Note 4, que combinam a experiência de uso de telas grandes, mas com a mobilidade de smartphones comuns.

Phablets iPhone 6 Plus e do Samsung Galaxy Note 4

Essa é a conclusão de estudo realizado pela Flurry e divulgado nesta quinta-feira, 5, que mostra que essa categoria de aparelhos com telas grandes (acima de 5 polegadas) foi a que mais cresceu no comparativo anual, mostrando aumento de 148% em janeiro de 2015 em relação ao mesmo período do ano passado.

Com isso, os phablets ajudaram a proporcionar um aumento de 78% no uso de dispositivos móveis em geral, em número de sessões iniciadas.

De acordo com a empresa, isso é 3,8 vezes mais rápido do que o crescimento registrado por celulares de tamanho médio, como iPhone 4 e 5, em período similar.

No intervalo de janeiro de 2014 ao mesmo mês deste ano, os tablets pequenos (com tela de 7 polegadas) mostraram um aumento no uso de 14%, enquanto os de telas grandes (de 10 polegadas) diminuíram em 20%.

A Flurry acredita que, com isso, os phablets viraram o dispositivo favorito para consumo de mídia, já que as categorias de música; mídia e entretenimento; esportes; e notícias e revistas foram as que mais cresceram dentro do escopo de uso do aparelho.

Somente o consumo de conteúdo esportivo cresceu 427% mais nos phablets do que em qualquer outro tipo de aparelho, sendo que o crescimento em si foi de 158%. O aumento de notícias e revistas foi de 144%, e o de música, mídia e entretenimento foi de 103%.

Chama atenção que o consumo de conteúdo na Web aumentou apenas 2%, enquanto o tempo gasto com aplicativos entre os norte-americanos respondeu por 88% do total, contra 12% da Web.

Em abril de 2014, a proporção era de 86% e 14%, respectivamente. “Nós vimos o tablet mudar o cenário de consumo de mídia e de smartphone.

Desta vez, está acontecendo com o phablet. Não é apenas um terceiro estágio de um foguete de mídia, é a forma industrial definitiva do mobile”, conclui o estudo da companhia

06/03/2015 14:18

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/consumo-de-midia-em-phablets-aumenta-148-no-mundo