Estratégias em mobile commerce crescerão em 2016

Diante do aumento do uso de dispositivos móveis para compras online, anunciantes devem rever métodos para se aproximar dos consumidores

Estratégias em mobile commerce crescerão em 2016

De acordo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), cerca de 30% das compras em lojas virtuais em 2016 serão feitas por meio de dispositivos móveis (smartphones e tablets). A parcela representa 57,2 milhões de compras, dentro de um mercado que deve movimentar R$ 56,8 bilhões até o fim do ano, segundo a entidade.

Diante do crescimento dos consumidores online, players observam as melhores estratégias para atuar no marketing digital. Especializada em performance, a agência digital Cadastra, que atende varejistas como Renner, Livraria Cultura, Lojas Colombo, Camicado, Corello, Le Postiche, diz que vai reforçar sua atuação em mobile, para melhorar a experiência dos clientes com as marcas. O CEO Thiago Bacchin afirma em comunicado que para acompanhar o crescimento, é necessário não só um incremento em sites responsivos e aplicativos para esses dispositivos, mas também em mídia.

Já a All In, braço especializado em marketing digital da Locaweb, que atende marcas como Ponto Frio, Fnac, Sephora, Chili Beans, pretende criar novas funcionalidades para suas ações no mobile, de modo a se aproximar dos consumidores. Wellington Sousa, gerente de Marketing da All In, disse em comunicado esperar que com o monitoramento dos consumidores no comércio eletrônico, será possível escolher a melhor hora de apostar em campanhas específicas.

Um levantamento realizado pela consultoria especializada GSMA, associa o comportamento ao crescimento da internet móvel no Brasil, em especial da telefonia de quarta geração (4G). Segundo a pesquisa, a previsão é que o Brasil termine 2016 com 42 milhões de conexões 4G, um aumento de 87% em relação ao ano passado. Esse número representaria 15% do total da base ativa esperada, que será de 278 milhões de acessos (incluindo telefonia 2G e 3G).

Ambos os executivos reforçaram a necessidade das agências e anunciantes se adaptarem ao mobile já que este representa um importante canal de comunicação entre o e-commerce e o cliente.

10/02/2016

http://www.proxxima.com.br/home/mobile/2016/02/10/Estrategias-em-mobile-commerce-crescerao-em-2016.html

Coca-Cola transforma suas embalagens em Cardboard

Desde que o Google lançou o Cardboard, seus óculos de realidade virtual feitos a partir de papelão, começaram a surgir ideias de conteúdos ou mesmo outras versões do dispositivo para permitir que cada vez mais pessoas possam vivenciar a experiência imersiva.

Até a companhia do refrigerante mais famoso do mundo entrou na brincadeira e deu indícios de que o mercado de VR, que está em constante expansão, também a interessa. A Coca Cola lançou um vídeo que mostra suas embalagens sendo transformadas em uma espécie de Cardboard de três formas diferentes.

Em um texto publicado em seu site oficial, a Coca Cola Company fala sobre a importância da realidade virtual, citando exemplos como a própria criação do Google e o Oculus Rift, do Facebook. Na mesma publicação a empresa divulga o vídeo que mostra a customização de seus óculos, apesar de não dar detalhes sobre o lançamento da novidade de fato.

Confira o experimento:

 

Redação Adnews – 26-02-2016

http://www.adnews.com.br/tecnologia/coca-cola-transforma-suas-embalagens-em-cardboard

Mais experiências imersivas e objetos conectados

Se há uma coisa que diferenciou o CES 2016 dos outros anos é a escala. O evento desse ano foi de longe o maior de todos os tempos; 180.000 participantes e 20.000 novos produtos lançados por 3.600 expositores.

Para os publicitários, a explosão de dispositivos conectados no CES deste ano mostra o potencial poder da mineração de dados em escala, o que permite o setor de Out Of Home ter mais oportunidade de desenvolver experiências ricas, imersivas e mais pessoais para os consumidores.

Aqui estão algumas categorias de tecnologia da CES que são relevantes aos publicitários:

Tecnologia Wearable

A tecnologia wearable (tecnologia para vestir) é uma categoria que está bombando, com 20 por cento de crescimento anual do composto esperado durante os próximos cinco anos. Frequentemente utilizando um smartphone como um hub central de inteligência, os wearables estão se tornando mais acessíveis, seguros e relevantes.

O novo chip Curie da Intel (nomeado em homenagem à Marie Curie) é um processador minúsculo do tamanho de um botão que é barato o suficiente para ser produzido em massa e que pode ser incorporado em praticamente qualquer item de consumo. Além disso, o Memory Mirror da Intel é um dispositivo que pode transformar a experiência de compra nas lojas, permitindo que os clientes fiquem em frente ao espelho, se vejam em 360°, experimentem roupas e vejam as peças anteriores sem a necessidade de vesti-las novamente.

A Samsung demonstrou um novo relógio que não precisa de um telefone, já que ele tem sua própria conexão, enquanto que outros smart wearables da Fossil, Swarovski e Tag Heuer mostraram que esta tecnologia também pode ser fashion.

Este boom em wearables significa um maior crescimento de dados mais ricos, o que pode melhorar tanto o OOH clássico quanto as campanhas digitais. Dados mais ricos entregam melhores resultados, e aqui na Posterscope temos visto um aumento espetacular de até 200 por cento nos KPIs das marcas vs. áreas de controle.

Dispositivos de gravação de vídeo?

Dispositivos de gravação estão ficando mais baratos, móveis e com qualidade melhor. A GoPro desbancou a Polaroid, e agora a Polaroid está desbancando a GoPro. A Polaroid Cube é uma câmera HD de 35mm, que é a prova d’água, de alta qualidade, leve e pode ser acoplada em quase tudo.

A Ricoh lançou a câmera Theta S 360, que é do tamanho de um pequeno controle remoto de TV e contém duas câmeras olho de peixe. Agora, os usuários podem criar facilmente conteúdo HD em 360°.

Estes novos dispositivos podem oferecer aos publicitários uma incrível fonte de conteúdo de alta qualidade produzido por usuários, que pode ser contextualizado para qualquer tela, incluindo móvel, digital e OOH. Inventário digital e full motion DOOH estão em uma posição privilegiada para se tornarem uma plataforma de conteúdo em si, tanto para as marcas transmitirem seu material quanto para os usuários contribuírem com ela.

Experiências Imersivas: RV e RA

Novos produtos de realidade virtual e realidade aumentada oferecem às marcas e ao marketing experimental, em particular, a oportunidade de proporcionar experiências verdadeiramente imersivas para os consumidores.

Na extremidade inferior do mercado, o Samsung Galaxy RV oferece uma introdução acessível ao mundo da realidade virtual. O Oculus Rift será finalmente lançado este ano juntamente com novos produtos, como o Leap Motion, e as gigantes de realidade aumentada Magic Leap e Microsoft HoloLens.

Esta tecnologia permite às marcas e aos profissionais de marketing experimental proporcionar um storytelling interativo e imersivo, e isso já está acontecendo. Um exemplo é a agência experimental da Posterscope, psLIVE, que utilizou o Oculus Rift na estação Waterloo, em Londres, para fazer os passageiros atravessarem por tirolesa e corda bamba caminhos que levavam ao recém-inaugurado Center Parcs, uma aldeia recreativa localizada em Woburn Forest, estendendo o impacto da campanha de maneira divertida, agradável e tátil.

Carros Inteligentes

Nove Fabricantes de Equipamento Original automotivo (OEM) exibiram na CES suas séries de carros semiautônomos. Os publicitários precisam começar a considerar o carro como outro formato do meio digital – um dispositivo conectado para coletar dados de comportamento e entregar informação e mídia. Displays inteligentes com conectividade LTE e conteúdo personalizado foi um marco dos carros exibidos no CES.

Groupon e Chevrolet se uniram para fornecer aos motoristas acesso a todas as ofertas locais do Groupon disponibilizadas através do OnStar, serviço de navegação e conectividade da Chevrolet.

A partir do momento que os carros começarem a produzir mais dados, as agências de publicidade passarão a ser capazes de aumentar a personalização e melhorar a segmentação das campanhas, principalmente na mídia OOH.

Consequências para as agências de publicidade

O CES destaca três grandes consequências para a indústria de OOH. Primeiro, consumidores estão esperando experiências de alta qualidade em todos os lugares, tanto in como out of home.

Os publicitários precisam continuar a elevar seu jogo com a produção de experiências ricas de conteúdo de alta qualidade e imersivas. A realidade virtual está destinada a se tornar uma importante parte do ecossistema OOH, entregando experiências de qualidade ao consumidor.

Em segundo, os wearables fornecerão uma maior variedade de pontos de dados que os publicitários poderão contar. Finalmente, a mídia digital não estará apenas nos formatos que conhecemos. Qualquer coisa será uma experiência digital imersiva, de carros a provadores de lojas.

Os publicitários precisam pensar além dos formatos convencionais e tratar qualquer dispositivo conectado como uma oportunidade de se conectar com um ser humano.

Artigo encaminhado por Jeff Tan, Vice-presidente de estratégia da Posterscope USA – 21/021/2016

http://www.adnews.com.br/artigos/publicitarios-podem-esperar-mais-de-experiencias-imersivas-e-objetos-conectados

App indica lugares acessíveis para cadeirantes

19 de fevereiro de 2016 · Atualizado às 14h14

O nome “guia de rodas” pode remeter imediatamente a carros e outros veículos automotivos e a relação se deve justamente porque estamos mais acostumados a pensar a ocupação da cidade por esses elementos que pelas pessoas de fato. Mas não é só de carros que elas se locomovem. “Guia de rodas”, na verdade, é um aplicativo criado para mapear locais que estão aptos a receber pessoas com mobilidade reduzida ou cadeirantes.

Criado por Bruno Mahfuz, Otávio Ribeiro e Leandro Beldi, a iniciativa conta com a colaboração de seus usuários para traçar esses mapas que prometem facilitar a vida dessas pessoas. Para tanto, quem baixar o app pode contribuir sinalizando os lugares que contam com recursos que contribuem para a acessibilidade, como rampas de acesso e portas largas para a entrada de cadeiras de roda.

Por utilizar os dados do Foursquare, o aplicativo já vem com a nota de avaliação do público para cada estabelecimento. O download é gratuito e está disponível para dispositivo Android e iOS, em suas respectivas lojas.

Confira o vídeo de lançamento do app:

Redação Adnews – http://www.adnews.com.br/tecnologia/app-indica-lugares-acessiveis-para-cadeirantes

 

Uber vai usar sensores do smartphone para monitorar seus motoristas

foto: reprodução/Uber Newsroom

Com o crescimento de negócios, o Uber vem buscando melhorar seus serviços para vencer a batalha que trava com a indústria dos táxis no mundo todo ou pelo menos garantir sua fatia nesse mercado.

A última novidade, divulgada ontem (26) pela empresa, vem no sentido de intensificar o monitoramento de seus motoristas. Com objetivo de promover mais segurança durante as corridas, o Uber vai utilizar sensores de GPS e giroscópios dos smartphones de seus usuários para monitorar a velocidade com que os motoristas estão dirigindo. Em caso de má conduta, o motorista receberá um alerta e o feedback negativo será exposto para futuros clientes.

Além disso, a empresa vai utilizar os mesmos recursos para saber se o colaborador está seguindo o caminho correto durante a viagem.

Segundo comunicado do Uber em seu blog, novas soluções de segurança estão sendo trabalhadas pela empresa.

Redação Adnews – 27/01/2016

http://www.adnews.com.br/tecnologia/uber-vai-usar-sensores-do-smartphone-para-monitorar-velocidade-de-motoristas

A vez dos vídeos digitais

Alguma coisa está mudando na maneira como consumimos audiovisual. Há vinte anos esse consumo era coletivo, com a família em torno da TV da sala ou numa sala de cinema. Hoje vemos cada um no seu canto assistindo o seu programa num smartphone, num tablet, no seu notebook. Nos cafés, pontos de ônibus, nas filas das repartições públicas, de repente se escuta um barulho e é alguém que está assistindo um vídeo e deixou o som alto ligado.

O estudo IMS Video in Latam, lançado em novembro de 2015 para toda a América Latina e que você pode conferir no site do IAB Brasil (link), tratou de entender melhor essa mudança, suas dimensões, características e impacto no consumo de mídia. O levantamento, que mapeou o consumo de vídeos digitais no Brasil e em outros mercados da nossa região, apresentou resultados que mostram a força desta tendência: quem tem acesso a vídeos digitais no Brasil já passa mais tempo vendo vídeos online (82%) que TV aberta (73%).

Esse resultado, que não é somente do Brasil e se repete em todos os países da América Latina onde o estudo foi realizado, surpreende pelo tamanho, mas, não é contrário ao que vemos no dia a dia. Se pensarmos em como é a jornada do consumidor contemporâneo, multitelas e hiperconectado, ele aproveita todos os momentos disponíveis durante o dia para assistir o que gosta. Os modelos digitais com oferta enorme de conteúdo e a comodidade de assistir a qualquer hora, fazem esse canal ser o ideal.

Outro item surpreendente da pesquisa é que os consumidores não elencam os vídeos curtos e divertidos, típicos da internet, entre os seus preferidos. Esse público está investindo o seu tempo em filmes, seriados e música, conteúdos muito fortes também na experiência de TV tradicional. O que o consumidor quer, portanto, não é necessariamente um novo tipo de conteúdo, é liberdade para escolher o que quer ver, onde quer ver e a que horas.

E essa escolha nem sempre é solitária – na verdade os entrevistados declararam que na metade das vezes em que estão assistindo um vídeo digital estão com pelo menos mais uma pessoa. Pense numa família assistindo um seriado numa TV conectada, ou mesmo em tantas vezes que alguém ofereceu o celular para você ver aquele vídeo bacana – estamos falando de uma experência on-demand e segmentada, mas ainda assim compartilhada.

Esse novo cenário traz muitas possibilidades para as marcas, assim como para os demais players. Segundo as projeções do IAB Brasil, espera-se um aumento de 14% na publicidade online para 2015 e somente a categoria vídeos deve alcançar mais de R$ 900 milhões em investimento. Essa perspectiva será confirmada em março, com a divulgação do estudo AdSpend 2016.

As campanhas de enorme alcance com montanhas de GRPs vão ficando mais raras, é verdade, porque vai acabando essa audiência tão concentrada. Mas as plataformas digitais, que em breve concentrarão a maior parte da audiência, oferecem alternativas de segmentação assertivas nas quais o target correto é atingido e a visualização da peça garantida.

Quem dominar esse novo cenário mais rápido sai na frente na corrida para o futuro do audiovisual.

Artigo encaminhado por Enor Paiano, Vice-Presidente Sênior de Partnership Sales da IMS para América Latina – 25 de janeiro de 2016 · Atualizado às 09h10

http://www.adnews.com.br/artigos/a-vez-dos-videos-digitais

KFC mapeia bloquinhos e sugere lojas próximas

Umas das maiores redes de restaurante do mundo, o KFC elaborou um guia com a programação dos bloquinhos de rua nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro para os foliões não perderem nenhuma atração do carnaval.

O guia, disponível no facebook, impacta os festeiros por meio do sistema de geolocalização e ainda indica o restaurante da rede mais próximo para matar a fome e recuperar as energias. Para quem está em São Paulo, basta acessar este link e este outro no Rio de Janeiro.

As informações são atualizadas conforme as agendas dos blocos e ficarão disponíveis até a Quarta-feira de Cinzas, dia 10. A campanha foi desenvolvida pela The Heart Corporation.

Redação Adnews – 02/02/2016

http://www.adnews.com.br/internet/kfc-mapeia-bloquinhos-e-sugere-lojas-proximas