Aplicativo tem botão para ajudar mulheres em situação de risco

 

29 de Maio de 2017

elas

A prefeitura de João Pessoa, Paraíba, através da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres de João Pessoa (SEPPM), lançou um aplicativo, que é mais uma ferramenta a auxiliar, de forma preventiva, mulheres em situação de risco. “Elas” é gratuito e está disponível, no primeiro momento, para sistema Android, depois de instalado, não tem necessidade de acesso à internet, isso porque o sistema tem um botão que envia SMS aos números cadastrados pela usuária caso esteja em alguma situação de perigo. As pessoas que recebem as mensagens também serão informadas da localização de quem enviou a mensagem. Podem ser salvos até cinco números.

Conforme o prefeito Luciano Cartaxo ponderou: ”Combater a violência contra as mulheres é muito importante. Criamos um mecanismo simples e de fácil acesso e estamos ofertamos às mulheres a condição de terem um instrumento para fazer um alerta de qualquer problema que coloque em risco suas vidas. E o que é mais importante, ele está aberto nacionalmente, ou seja, qualquer mulher de qualquer parte do País que queira, poderá utilizá-lo. Ele é um instrumento muito importante para que as mulheres saiam desta situação de vítimas de violência, que criem coragem para denunciar e contar com o apoio das pessoas de sua confiança para isso”.

“É uma forma de mulheres que estejam em risco pedirem ajuda a parentes e amigos. O mais importante é que as pessoas que ela cadastrar na ferramenta sejam de confiança e tenham conhecimento da situação pela qual ela passa. Assim fica mais rápido prestar socorro e evitar que o pior ocorra”, afirma Adriana Urquiza, secretária de políticas públicas para mulheres da capital paraibana.

Como usar o aplicativo

No primeiro acesso ao aplicativo, as usuárias encontram uma tela de cadastro onde é necessário digitar seu nome, data de nascimento, informar o sexo e aceitar os termos de uso.

Em seguida, o sistema pede para que sejam cadastrados até três nomes e telefones de amigos de confiança, para quem as mensagens serão enviadas, mas com o cadastro de pelo menos uma pessoa, já é possível utilizar o botão de envio de pedido de ajuda no sistema.

Em um menu ao lado direito da tela, o aplicativo também contém um item que mostra os contatos do Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra, serviço que disponibiliza atendimento especializado às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. No item, é possível telefonar gratuitamente para o centro ou enviar um email.

Outra opção disponível no menu lateral do aplicativo é a lista de telefones úteis, como o da SEPPM, do Centro de Referência, do Instituto Cândida Vargas, do Centro de Cidadania LGBT e de números de urgência das polícias Militar e Civil, além de outros números. Também é possível telefonar para cada um destes locais apenas tocando no ícone de telefone ao lado de cada número.

http://adnews.com.br/midia/aplicativo-tem-botao-para-ajudar-mulheres-em-situacao.html

O que os chatbots oferecem para as marcas?

03 de Maio de 2017

As interfaces conversacionais são assunto constante nas rodas de discussão e conferências de tecnologia e design em San Francisco, nos EUA. Designers, desenvolvedores e investidores estão em uma verdadeira “corrida pelo ouro” para criar empresas, marcas e experiências de sucesso nessa nova área.

Em linhas gerais, uma interface conversacional é aquela que permite que um humano e uma máquina interajam como em um diálogo. Há quem argumente que toda interface é, na verdade, um diálogo, mas, nesse caso, a interface tem aparência de conversa, um visual como o dos aplicativos de bate-papo que você usa para trocar mensagens com seus amigos. A grande vantagem desse tipo de interface é a naturalidade da interação: quando bem desenhada, parece que você está realmente batendo um papo com a máquina. Em alguns casos, a conversa até acontece por meio da voz (eu ouvi “Ok, Google”?).

A pergunta de um milhão é: por que uma marca deve investir nesse tipo de interação? Bem, de cara, eu vejo três grandes oportunidades:

Para estar onde os consumidores estão

Os consumidores usam os aplicativos de bate-papo centenas de vezes ao dia. E como acontece desde que a publicidade foi inventada, as marcas sempre querem estar onde os consumidores estão. Várias delas já começaram a criar experiências que acontecem dentro desses aplicativos de chat para vender produtos e oferecer serviços, informação, entretenimento ou utilidade para os usuários.

Hoje já é possível pedir um Uber por aplicativos como o Google Assistant ou até reservar passagens via chat. Esse tipo de interação é bastante rentável para as empresas e, por isso, elas decidiram investir ainda mais dinheiro, tempo e tecnologia nela.

Para escalar as conversas com os consumidores

É claro que manter humanos do outro do lado do chat a cada novo pedido de transporte ou venda de ingressos de cinema criaria um custo proibitivo para marcas – um custo quase tão alto quanto o de manter uma central de atendimento 24 horas. Mas a beleza das interfaces conversacionais é que elas não dependem necessariamente de humanos para ajudar o público. Os chatbots são robôs configurados para entender e responder as perguntas e necessidades mais frequentes dos usuários que resolvem entrar em contato com a marca.

O Assistant, do Google – bem como Siri, Alexa e Cortana – são bons exemplos de chatbots que automatizam tarefas para os usuários. Podemos usar esses robôs inteligentes para controlar a TV, enviar mensagens de texto sem precisar digitar, agendar um evento no calendário, conferir a previsão do tempo … E a lista de funcionalidades não para de crescer.

Você não precisa mais de vários apps para realizar tarefas diferentes. Está tudo reunido em um único lugar onde todos os serviços têm “a mesma cara”.

A tendência é que as interfaces tradicionais utilizadas pelas marcas (como websites e aplicativos) sejam, aos poucos, substituídas por versões mais inteligente e menos visuais dessas experiências e que proporcionem aos consumidores o mesmo o nível de serviço. Ou até um serviço melhor.

Para construir uma identidade de marca que vai além do visual

Para as marcas, essa mudança na forma de interagir com os consumidores é mais significativa do que outras que aconteceram no passado (quando, por exemplo, elas começaram a se relacionar com consumidores por meio das de redes sociais, em meados de 2008 e 2009).

Está ficando cada vez mais raro os usuários entrarem em hotsites ou baixarem aplicativos de marcas – segundo a pesquisa da Forrester Research, 84% das pessoas utiliza apenas 5 aplicativos por mês. A tendência é que as interações entre consumidores e empresas aconteçam cada vez menos por meio de interfaces gráficas complexas desenvolvidas pelas próprias marcas e passem a ocorrer em ambientes digitais que não foram construídos por elas, com elementos visuais que também não foram produzidos por elas. Em alguns casos, a interação acontece totalmente por voz, sem o menor suporte do sentido da visão.

Isso significa que, na era das interfaces conversacionais, os designers precisam ir muito além dos elementos visuais na hora de pensar em “branding”. Os manuais das grandes marcas normalmente se apoiam em elementos como cores, tipografia, motion design, fotografia e outros aparatos gráficos que ajudam a dar unidade à imagem de uma marca. Acontece que, a partir do momento em que o consumidor interage com a marca via chat, esses elementos visuais estão todos fora da jogada; é somente por meio de palavras, tom de voz, personalidade e design verbal que se pode construir uma identidade consistente na relação com seus consumidores.

Artigo de Fabricio Teixeira, Creative Director UX na R/GA, originalmente publicado no thinkwithgoogle.com

http://adnews.com.br/adcontent/especial-google/o-que-os-chatbots-oferecem-para-marcas.html

4 insights de tecnologia para ficar de olho nos próximos anos

 

28 de Abril de 2017 

Em 2017, o CES fez 50 anos e reuniu um público de mais de 165.000 visitantes, 3800 expositores e muita inovação. Observando os novos produtos e as tecnologias apresentados nos quatro dias de evento, O Google destacou quatro fortes tendências nas quais as marcas devem ficar de olho em 2017 e para os próximos anos.

  1. O futuro da interação entre homens e máquinas é a voz

As interfaces de voz amadureceram e estão se tornando uma excelente fonte sobre hábitos e preferências dos usuários. Essas informações são indispensáveis para criar interações mais inteligentes e personalizadas. Além disso, a possibilidade de conhecer em mais detalhes o que os usuários querem e precisam dá às marcas a chance de oferecer produtos mais eficientes e em sintonia com as necessidades de seu público.

O motivo para acreditarmos que a interação por voz é uma tendência que veio para ficar é simples: ela é extremamente eficiente, reduz atritos de compra e pesquisa e, principalmente, ajuda a democratizar o acesso à informação. Por exemplo, em média as pessoas conseguem escrever 40 palavras por minuto, mas são capazes de dizer 150 no mesmo intervalo de tempo. Além disso, podemos acessar os aparelhos sem sequer tocar neles, o que facilita muito a vida, cada vez mais multitarefa, que levamos. Outra vantagem que as interfaces de voz têm sobre outros métodos de interação é que elas são inteligentes e capazes de oferecer experiências personalizadas para cada um de seus usuários por meio da análise de elementos como quem está falando, onde a pessoa está, seu tom de voz e as palavras que usou, entre outras.

Os números confirmam esse movimento. Nos Estados Unidos, por exemplo, 20% de todas as buscas feitas no mobile já são por voz. Aqui no Brasil, o número de buscas contendo a expressão “OK, Google” cresceu mais de 85% em 2016.

  1. A internet das coisas encontra a inteligência artificial

Está cada vez mais difícil estabelecer uma fronteira concreta entre as indústrias de tecnologia, telecomunicações e manufatura. O limite entre elas vem se tornando progressivamente menos óbvio conforme os mais variados segmentos oferecem produtos físicos que trazem conectividade e soluções digitais, ou seja, a internet das coisas está cada vez mais presente nas nossas vidas.

Talvez você esteja pensando: “Ah, mas a internet das coisas já está aí faz um tempo…”, você está certo, mas diferença é que as “coisas” estão ficando cada vez mais inteligentes e independentes.

Por exemplo, não faz muito tempo, tudo que uma geladeira podia fazer era conservar os alimentos e gelar bebidas. Aí, surgiram os refrigeradores conectados à internet, que ofereciam receitas, lista de compras, acesso ao e-mail, previsão do tempo etc., por meio de um display na porta do aparelho. Bem, na CES 2017, fomos apresentados a um refrigerador com assistente pessoal que identifica os hábitos dos usuários para otimizar os ciclos de refrigeração durante o dia, avisa quando os produtos vão perder a validade e até mesmo compra on-line o que estiver faltando para você.

E a geladeira foi só um exemplo. De escovas que analisam a saúde do cabelo, passando por pijamas que ajudam a recuperação de atletas, chegando aos últimos lançamentos da indústria automobilística, a internet das coisas evoluiu e já não se limita à mera conectividade. Lado a lado com a inteligência artificial, ela aprende com os hábitos do usuário e oferece serviços e soluções personalizadas. Inclusive, muitos varejistas já estão concentrando seus esforços nas áreas de inteligência artificial e machine learning. Por exemplo, a página inicial do Ebay agora é para cada usuário e traz conteúdos selecionados com base nos aprendizados da inteligência artificial do site.

  1. Real e virtual: entramos na era da realidade mista

Nos próximos anos, o real e o virtual vão se misturar a ponto de virarem uma coisa só – a realidade virtual chegou com tudo mudando a forma como as pessoas experimentam o mundo. Hoje, o VR já reúne 90 milhões de usuários ativos e a estimativa é que esse número dobre até o final de 2018.

Na CES 2017, pudemos observar muitos exemplos do que vem por aí em relação ao uso da realidade virtual por diversos setores, como uma roupa de cama infantil que vira historinha quando filmada com o tablet, VR sendo usado no treinamento de atletas para a prevenção de lesões e jogos da NBA com lugares na primeira fila sempre garantidos, esteja o torcedor onde estiver.

O Google marcou presença nesse setor com o lançamento do Asus Zenfone AR, que traz a tecnologia Tango, que permite que o smartphone não só mapeie interiores – por exemplo, descobrir onde andares, paredes, tetos e móveis estão –, mas também reconheça a localização do dispositivo dentro desse espaço e a sua orientação. Em outras palavras, com a Tecnologia Tango, smartphones e tabletes enxergam em 3D, e isso permite que você não apenas projete objetos sobre uma imagem mas realmente substitua elementos por outros. Imagine que você vai redecorar a sua casa, usando o Cardboard, você poderia apagar o seu sofá velho da cena e testar um catálogo inteiro, como se realmente estivesse colocando os produtos na sua sala.

  1. Transportes inteligentes e sem motoristas

Quando o assunto é transporte urbano, os carros autônomos são a grande aposta da indústria automobilística para os próximos anos. As montadoras deixaram claro o quanto um futuro sem motoristas está próximo de se tornar realidade – já há até quem diga que o nome CES agora se refere a Car Electronics Show por conta da relevância que essa indústria vem conquistando na feira.

O recente AutoTrader Car Impact Study mostra que, atualmente, 46% dos millennials esperam que seus carros façam as mesmas coisas que seussmartphones.

O reflexo dessa aspiração já pode ser percebido no mercado no qual conectividade não é mais privilégio dos itens de luxo e vemos modelos de entrada equipados com GPS integrado, sensor de estacionamento e bluetooth de fábrica. Segundo o Gartner, são esperados 250 milhões de automóveis conectados à internet até 20.

No futuro, a proposta de valor dos carros será pautada cada vez mais em conectividade e serviços. O carro terá a mesma função que o avião e motoristas serão apenas passageiros. Além disso, com a evolução da conectividade veículo-para-veículo, as pessoas poderão planejar seu deslocamento em tempo real e de forma integrada e holística, incluindo todos os meios de transporte.

As tendências apresentadas, bem como a maior parte das inovações exibidas na CES 2017, têm um importante ponto em comum: todas geram um volume absurdo de dados que podem ser facilmente integrados via plataformas e algoritmos. Estamos diante de um amanhã em que as máquinas irão conhecer seus usuários tão bem que poderão prever suas necessidade e vontades e antecipar-se a elas. Como sua marca está se preparando para esse futuro?

Fontes:
1. Sundar Pichai – CEO Google no I/O
2. Dados Internos do Google
3. KZero Consulting
4. Digi-Capital
5. Dados internos do YouTube
6. KZero Consulting

Redação Adnews

http://adnews.com.br/adcontent/especial-google/4-insights-de-tecnologia-para-ficar-de-olho-nos-proximos-anos.html