Assistentes virtuais: as personas por trás das marcas

Oi se une a empresas como Bradesco, Carrefour e Vivo com sua AI que conversa com consumidores

Luiz Gustavo Pacete – 17 de julho de 2019 – 22h45

A Oi apresentou nesta terça-feira, 16, sua assistente virtual, a Joice. Por meio de uma campanha assinada pela NBS, o sistema de inteligência artificial da operadora apareceu pela primeira vez interagindo com o apresentador Marcos Mion, o humorista Whindersson Nunes, o atleta Gabriel Medina e outras personalidades que participam das campanhas da Oi.

Com a Joice, a Oi entrou para a lista de marcas que criaram seus sistemas de inteligência artificial e as transformaram em marcas derivadas. Entre os casos mais emblemáticos estão a Bia, do Bradesco, a Vivi, da Vivo, a Carina, do Carrefour e muitas outras. Os nomes são majoritariamente femininos, o que levanta uma discussão sobre o reforço de padrões machistas (há exceções, como o Theo, da Sicredi). Para além de gênero, as marcas estão investindo na construção da persona de seus assistentes virtuais.

Daniel Wildt, diretor de tecnologia na Zenvia, plataforma de comunicação especializada em inteligência artificial, lembra que o movimento iniciado por Siri, da Apple, Google Assistant e Alexa, da Amazon, vive uma nova fase, agora impulsionada principalmente por marcas de serviços e na área financeira. “Entendo que estes movimentos de bancos ajudam a popularizar a ideia e o uso prático da inteligência artificial. Vejo como mais interessantes os sistemas que buscam entender o contexto do cliente e acelerar alguma ação ou tomada de decisão”, explica.

“O desafio é que eles consigam se posicionar como companion bots, ou seja, assistentes que conseguem maximizar o valor que alguém consegue na sua atuação em dado contexto. Então, sempre que um bot consegue sair do simples ‘conectar clientes com menus’ para começar a apoiar e maximizar o valor do cliente na jornada, vai ter mais sucesso na experiência. Isso tem um pouco de aprimoramento da linguagem e tecnologia, mas tem ganhos quando se consegue avançar em contexto e apoia o cliente na resolução de problemas e em sugestão de melhorias para a experiência dele”, diz Daniel.

Atualmente, a maioria dos sistemas de bots são grandes FAQs (perguntas e respostas) “que tem valor, mas que depois de aprender a operar, precisa evoluir para começar a entender melhor os contextos”, explica Daniel.

https://www.proxxima.com.br/home/proxxima/noticias/2019/07/17/assistentes-virtuais-as-personas-por-tras-das-marcas.html

A linguagem universal da hashtag e seu uso na propaganda

23 de Agosto de 2017

Ganhando status de uma linguagem universal, há alguns anos as hashtags também foram abraçadas por campanhas sociais e de marca. No campo desses movimentos, destaques para #BlackLivesMatter (contra a violência direcionada às pessoas negras); #LoveNotHate (contra o crime de ódio); #BeatCancer (pelo combate ao câncer); #HeforShe (pelo empoderamento feminino) e #RefugeesWelcome (pela recepção de refugiados de guerra). Merece menção especial também a campanha #icechallengebucket, que correu o mundo para ajudar a ALS Association no apoio a pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica.

Quando pensamos no uso de hashtag para publicidade, algumas delas marcam não apenas uma peça ou uma campanha, mas um posicionamento ainda maior. É como se a hashtag fosse praticamente ressignificada como o slogan digital do produto. Em outras palavras, ela saiu do plano tático e virou o ponto de partida da estratégia de várias marcas. Não à toa, diversas empresas estão patenteando ou tentando patentear suas hashtags.

É evidente que a maior parte das hastags não podem e nem devem ter donos, mas em alguns casos é impossível dissociar o seu uso da lembrança da marca. Alguns exemplos são bastante emblemáticos, como #LikeaGirl, da P&G, que marca um posicionamento a favor do empoderamento feminino e foi premiadíssima em Cannes. Como pensar em #Issomudaomundo e não lembrar do Itaú, por exemplo? A mensagem neste caso é essencial para tirar da figura do banco aquela austeridade do ambiente das agências e dizer que a marca quer de algum jeito fazer diferente.

Também é impossível não mencionar a #VempraRua, que começou com uma campanha da Fiat e curiosamente virou quase que uma espécie de hino de protesto durante as manifestações pelas ruas brasileiras. Outra que refletiu um posicionamento muito estratégico é #beautyinside, da Intel. Os trabalhos que carregam essa hashtag também são premiadíssimos nas campanhas criadas pelo brasileiro PJ Peireira, da Pereira O´Dell. Para fechar, um último exemplo é #ImLovinIt, do Mc´Donalds, um caso um pouco mais simples de uso, que apenas arrasta para o meio digital um posicionamento que há anos reflete o “lifestyle” da marca no tradicional “Eu amo muito tudo isso”.

Lembrando que

Para celebrar a data, o Twitter criou um emoji especial que ficará disponível durante todo o dia de hoje. Para ativá-lo, basta Tweetar com a hashtag #Hashtag10.

Curtiu a matéria?

Então pega esse vídeo bônus:

Renato Rogenski

http://adnews.com.br/adcontent/adyouth/linguagem-universal-da-hashtag-e-seu-uso-na-propaganda.html

KFC inventa caixa que faz celular virar videogame

31 de Julho de 2017

KFC

Desde criança é comum ouvir “que não é pra brincar com comida”, mas uma ação do KFC da Índia em parceria com Mountain Drew promete alterar essa máxima. Depois de lançar um celular da própria marca na China, a empresa famosa pelos seus baldes de frango frito mostra que realmente vê o mercado asiático de outro modo e lança uma caixa que transforma mobiles em videogames.

Batizada de Gamer´s Box 2.0, a invenção serve para conversar o lanche enquanto o usuário se diverte com seu jogo. Além de a ideia ser pensada para que se desenvolver, literalmente, “fora da caixinha”, a campanha também é inovadora e utiliza um vídeo no Instagram para a divulgação do gadget.

Confiram abaixo o anúncio de apresentação de uma das 10 unidades do dispositivo bluetooth que será sorteado no pela rede de restaurantes.

https://www.instagram.com/p/BW-AEVkF3Y6/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=658#%7B%22ci%22%3A0%2C%22os%22%3A2578.4987994011017%7D 

Do smartphone para o prato: Buzzfeed cria sua panela inteligente

28 de Julho de 2017 10h – Atualizado às 10:27

abre

A “Tasty”, marca voltada ao universo de comidinhas do Buzzfeed, anunciou sua entrada no ramo de dispositivos inteligentes com um aparelho chamado “Tasty One Top“. O apetrecho é uma plataforma de indução (cozinha sem utilização de fogo ou gás) habilitada por Bluetooth que permite aos consumidores mobilidade. O usuário pode colocá-la em qualquer lugar de sua cozinha e se conectar a um aplicativo iOS para ter acesso as receitas (há planos para uma versão Android). A ferramenta é uma parceria entre o BuzzFeed Product com a GE Appliances e está disponível para pré encomenda aqui.

Quando o dispositivo se sincroniza com o aplicativo Tasty os usuários podem escolher qual receita desejam criar. O Tasty One Top ajusta automaticamente as configurações de temperatura e energia para cada etapa da receita. Quando a receita exige instruções específicas, como lançar uma panqueca ou adicionar vegetais, o cooktop notificará o usuário com sugestões em áudio.

Parece estranho que uma empresa de mídia digital esteja tentando vender uma placa quente? Na verdade, o movimento faz parte do BuzzFeed Product Labs, que foi criado no ano passado após a aquisição do e-commerce Startup Scroll. O objetivo da equipe é experimentar diferentes iniciativas de comércio para descobrir o que funciona para o BuzzFeed.

As informações são do Techcrunch

http://adnews.com.br/tecnologia/do-smartphone-para-o-prato-buzzfeed-cria-sua-panela-inteligente.html

Infográfico aponta 10 tendências ditadas pelo iPhone

14 de Junho de 2017 

iphone

O próximo dia 29 de junho marca o 10º aniversário do primeiro smartphone multi-touch do mundo, o iPhone. Por isso, a Shutterstock preparou um infográfico celebrando esse marco histórico a fim de mostrar como o iPhone revolucionou o design, a fotografia e as comunicações visuais na última década. A empresa sente “na pele” esse impacto com estimados 1,5 milhão de uploads via iPhone na plataforma em 2017. Confira no anexo as 10 tendências moldadas pelo icônico produto:

Samsung usa tecnologia para superar medos

 

30 de Dezembro de 2016 09h – Atualizado às 09:38

samsung

Com o objetivo de usar a tecnologia para auxiliar pessoas a vencerem seus medos, a Samsung estreou no Brasil a campanha global Launching People que busca estimular os consumidores da marca a ultrapassarem os limites rompendo barreiras e vencendo as adversidades.

A empresa aposta na ação #BeFearless, que usa a tecnologia de realidade virtual do Gear VR para ajudar as pessoas a encararem e vencerem suas tormentas pessoais. O foco está em duas fobias bastante comuns para a população: medo de altura e de falar em público.

Para isso, a Samsung desenvolveu aplicativos – disponíveis na Google Play Store – voltados especificamente para cada fobia e que possam ser utilizados para auxiliar, de fato, as pessoas a vencerem seus medos. Para fazer uso dos aplicativos, é necessário conectar o smartphone Samsung Galaxy compatível ao Gear VR.

Quem não tiver os aparelhos, poderá ter os aplicativos nas lojas oficiais da Samsung. Para saber mais sobre o passo a passo basta se cadastrar gratuitamente no site.

A nova campanha global Launching People, que contará com três fases, ficará no ar até março de 2017.  “Nós acreditamos que cada produto que desenvolvemos é um catalisador do potencial humano e todas as pessoas, sem exceções, podem impactar positivamente o mundo hoje com a tecnologia certa nas mãos”, afirma Andrea Mello, Diretora de Marketing Corporativo e Consumer Electronics da Samsung Brasil.

Editoria: tecnologia

http://adnews.com.br/tecnologia/samsung-usa-tecnologia-para-superar-medos.html

Apple cria versão de Romeu e Julieta filmada no iPhone 7

07 de Dezembro de 2016 10h – Atualizado às 10:36

Romeu

Durante os lançamentos do iPhone 7 , a Apple divulgou seus produtos em comerciais conceituais. O primeiro, para o novo mobile, trouxe uma fotografia preta e cenas fortes da natureza. Os outros, da mesma campanha, também focavam em imagens negras, mas se apoiando em pessoas que mostravam as utilidades dos gadgets.

Dessa vez, em seu novo comercial, a empresa deixa de lado o tom conceitual e dá maior atenção às pequenas histórias. O filme começa com uma menina vestida de Julieta e declamando as agruras do amor para seu respectivo Romeu. Parece que estamos vendo um longa, contudo, ao final, o comercial mostra que o “diretor” da produção é um pai apaixonado, filmando o teatrinho de escola da sua filha.

Confira: