Livro muda a história conforme cidade em que o leitor está

Se, por si só, a tecnologia já é algo surpreendente, sua experiência fica ainda mais inédita quando aliada a tradicionais comportamentos humanos. Unir o velho hábito de leitura a amplas possibilidades que um e-book pode proporcionar é um bom exemplo disso.

Usando este raciocínio, o Clube Smiles lança um Trip Book inédito que traz uma grande surpresa: a história muda de acordo com o lugar do mundo onde o leitor está.

Parece absurdo, mas é muito plausível. Para essa ação, a FCB Brasil desenvolveu um equipamento exclusivo com uma tecnologia especial, que identifica onde o leitor está por meio de geolocalização.

A história do livro, criada pelo escritor Marcelo Rubens Paiva, irá se passar na cidade em que o leitor está e, se o leitor viajar durante a leitura, o enredo muda e os personagens vivenciam as experiências destes lugares. Seja para Nova York, Paris, Roma, Rio de Janeiro, Lisboa e Buenos Aires.

“O Trip Book Smiles faz a literatura e a tecnologia se encontrarem de um jeito novo porque ele não é só um suporte para a leitura. A tecnologia aqui tem o poder de mudar a própria história do livro, de deixá-la mais dinâmica e de se adaptar à viagem do leitor”, destacou Max Geraldo, VP de Criação da FCB Brasil.

O projeto faz parte de uma grande campanha chamada “Todos os dias um motivo para sorrir”. Nela, a marca cria ações diárias que durante 365 dias. Todos os motivos já divulgados podem ser vistos aqui.

A história poderá ser baixada gratuitamente pelo aplicativo Trip Book Smiles para os sistemas iOS (em breve na App Store) e Android. Ela conta as aventuras de um casal que mora em São Paulo mas decide dar um tempo para viajar até a mesma cidade onde passaram a primeira lua-de-mel. A partir daí o destino do romance muda para onde o leitor estiver. A trama e o casal é o mesmo, apenas as referências dos lugares em que passa a história muda, como lojas, parques, ruas, museus, pontos turísticos entre outros

27 de abril de 2015 · Atualizado às 15h23 – Redação Adnews

http://www.adnews.com.br/tecnologia/livro-muda-a-historia-conforme-cidade-em-que-o-leitor-esta

O paradigma da estética marca o estilo do nosso mundo

livro beja santos

Vem de longe a previsão do filósofo e sociólogo francês Gilles Lipovetsky de que a sociedade do hiperconsumo em que vivemos é um conglomerado das indústrias de consumo, do design, da moda, da publicidade, da decoração e do entretenimento em geral. No seu mais recente livro “O capitalismo estético na era da globalização”, por Gilles Lipovetsky e Jean Serroy, Edições 70, 2014, faz-se a defesa de que entramos numa nova idade da estetização do mundo, que denominam por capitalismo artístico, um mundo encenado de desejo, com centros comerciais, grandes espetáculos e catedrais do consumo. Neste universo, o real vai-se construindo como uma imagem quase sempre espetacular, este capitalismo artístico carateriza-se pelo peso crescente das experiências e das sensações, pela integração generalizada da arte, do visual e do afeto na esfera do consumo. E observam: “O estilo, a beleza, a mobilização dos gostos e das sensibilidades impõem-se cada vez mais como imperativos estratégicos das marcas. Com a estetização da economia, vivemos num mundo marcado pela abundância de estilos, de design, de imagens, de narrações, de paisagismo, de espetáculos, de músicas, de produtos cosméticos, de lugares turísticos, de museus e de exposições”.

E mais adiante: “Com o advento das artes de massas e das estéticas comerciais ilustradas pelo cinema, a fotografia, a publicidade, a música gravada, o design, os grandes armazéns, a moda, os produtos cosméticos, é posta em marcha pela primeira vez uma dinâmica de produção e de consumo estético em grande escala”. Assim se torna compreensível este universo quotidiano transbordante de imagens, de músicas, de concertos, de filmes, de exposições, de bazares na moda. O consumo de componente estética ganhou um tal relevo que constitui um vetor importante de afirmação identitária dos indivíduos.

Qual o rosto deste capitalismo dito artístico? Para os autores o capitalismo tornou-se artístico no sentido em que está sistematicamente envolvido em operações que, ao fazer apelo aos estilos, às imagens, ao divertimento, mobilizam os afetos, os prazeres estéticos, lúdicos e sensíveis dos consumidores. A lógica dos autores, este capitalismo dispõe de quatro fases: a integração e generalização da ordem do estilo, da sedução e da emoção nos bens destinados ao consumo comercial; a generalização da dimensão empresarial das indústrias culturais e criativas; uma nova superfície económica dos grupos comprometido nas produções dotadas de uma componente estética; consolidação de um sistema no qual são destabilizadas as antigas hierarquias artísticas e culturais, ao mesmo tempo que se interpenetram as esferas artísticas, económicas e financeiras.

Em que território se move este capitalismo artístico? Há quatro círculos com cruzamentos e interconexões: as indústrias da cultura e da comunicação (música, cinema, edição, criações televisivas, jogos de vídeo, BD, portais, sítios de internet, plataformas de partilha de vídeos na web); os elementos que construem um tipo de vida, uma existência quotidiana mais estética e recreativa (arquitetura, decoração, design, moda, produtos cosméticos, luxo, gastronomia, lugares comerciais, parques de atrações, lugares de património, jardins e paisagens); o universo da arte propriamente dita (galerias, museus, centros de arte exposições, bienais, feiras de arte, sociedades leiloeiras); as indústrias manufatureiras cujos produtos técnicos permitem produções e consumos culturais de artistas e do público.

Enfim, o capitalismo artístico é o sistema em que, por intermédio da arte, as arcas ambicionam “reencantar” o mundo, encenando-se, criando emoção e vivência experiencial, no registo da criação e da beleza.

O livro de Lipovetsky e Serroy é ousado, engenhoso, altamente comentado, temos aqui uma tela larga sobre o capitalismo artístico, o mundo do design e um capítulo surpreendente sobre o estado estético do consumo para onde convergem arquiteturas comerciais e paisagens urbanas, o novo conceito da cidade-shopping, a gestão do património e onde se move o consumidor transestético. Como observam os autores, na sociedade industrial, os consumos eram estruturados por aspetos gerais de classe. Por exemplo as classes populares privilegiavam o funcional, o que era prático, sólido e fácil de manter. Quanto à alimentação, prevalecia a quantidade, o pesado, a gordura, o substancial, a rejeição de maneiras burguesas. Agora, os jovens dos bairros desfavorecidos já não querem sapatos para andar, querem Nike, Puma ou Reebok ou contrafações que os satisfaçam. Daí a nova leitura que também se deve fazer desta era de cuidados pessoais, de moda, de tatuagens, do look.

Para onde caminha esta sociedade transestética? É segredo que não se pode desvendar. Durará enquanto a estética for um objeto de consumo de massas e um modo de vida democrático. E não vale a pena moralizar, lisonjeando-a ou amaldiçoando-a. Provavelmente, irá evoluindo, por todo o lado aumenta a exigência de qualidade. Se a modernidade ganhou o desafio da quantidade, a hipermodernidade deve relançar o da qualidade na relação com as coisas, com a cultura, com o tempo vivido.

http://www.oribatejo.pt/2014/08/06/o-paradigma-da-estetica-marca-o-estilo-do-nosso-mundo/

Estética do mundo elevado ao grau máximo

Gilles Lipovestky lança um novo livro intitulado: L’esthetisation du monde’ ou seja a ‘Estética do mundo elevado ao grau máximo’ (ainda não traduzido em portugues).
Até pouco tempo a arte era feita pela arte, hoje é o mercado quem impulsiona o mundo das artes. O capitalismo criou um tipo inédito de arte: a arte de consumo de massa (cinema, publicidade …), que não necessita de qualquer cultura específica. Uma arte sem elevação ideal, que se mistura com marcas no esporte, moda, entretenimento. O mundo hiper moderno é um mundo inseguro, frágil…Isso se vê evidente na curva da ansiedade, no stress, no vício e depressão.
A comercialização da  ‘estética’ desenfreada atrelada a uma promessa de felicidade está deixando a pessoa ainda mais infeliz. Os prazeres estéticos não conseguem eliminar o desconforto, a deterioração da auto-estima gerada somente pela comercialização. O comercial não é necessariamente o oposto da qualidade, mas não satisfaz mais porque tem apostado muito no reino da quantidade.
Foto: Gilles Lipovestki lança um novo livro intitulado: L'esthetisation du monde' ou seja a 'Estética do mundo elevado ao grau máximo' (ainda não traduzido em portugues). Até pouco tempo a arte era feita pela arte, hoje é o mercado quem impulsiona o mundo das artes. O capitalismo criou um tipo inédito de arte: a arte de consumo de massa (cinema, publicidade ...), que não necessita de qualquer cultura específica. Uma arte sem elevação ideal, que se mistura com marcas no esporte, moda, entretenimento.  O mundo hiper moderno é um mundo inseguro, frágil...Isso se vê evidente na curva da ansiedade, no stress, no vício e depressão. A comercialização da  'estética' desenfreada atrelada a uma promessa de felicidade está deixando a pessoa ainda mais infeliz. Os prazeres estéticos não conseguem eliminar o desconforto, a deterioração da auto-estima gerada somente pela comercialização. O comercial não é necessariamente o oposto da qualidade, mas não satisfaz mais porque tem apostado muito no reino da quantidade.

A Bela e a Fera ao Redor do Globo

As narrativas viajam misteriosamente através do tempo e do espaço, sofrendo transformações a cada lugar que passam.

O caso de A Bela e a Fera não é diferente: essa história sobre um pai, uma filha e um pretendente possui algumas versões conhecidas e outras tão antigas que nem sabemos sua origem.

Neste livro, além de reler a versão mais difundida no Ocidente, os leitores conhecerão a interpretação chinesa e a chilena, e vão se surpreender com as tantas – e ricas – diferenças entre elas.

Ao final do livro, o leitor localiza as diferentes versões e seus elementos em um mapa-múndi, e conhece outras feras que habitam as narrativas orais