6 casos em que as vending machines foram máquinas de marketing para a Coca-Cola

28 de Agosto de 2017  

as

A Coca-Cola é uma das principais entusiastas das vending machines, por isso ela é uma das empresas que mais têm unidades à disposição dos clientes e busca com frequência formas   inusitadas de viabilizar esse modelo de consumo. Antenada com o que acontece de mais moderno pelo mundo, a companhia criou recentemente uma máquina que por meio de uma “nuvem” global e inteligência artificial permite comprar refrigerantes para qualquer pessoa do mundo pelo smartphone.

Para mostrar como a marca transforma seus aparelhos em criativas máquinas de marketing, separamos outros cinco cases:

Máquina do abraço

Já imaginou ganhar um refrigerante apenas com um abraço? Pois essa foi a ideia da Coca-Cola em Cingapura. Na máquina, a frase “Me Abrace” ocupava o lugar do logo da marca e convidava as pessoas que estivessem passando a dar abraços.

Máquina da felicidade

Nesta máquina instalada em uma escola nos Estados Unidos, a pessoa que passasse por ela e comprasse uma Coca-Cola recebia além da bebida, brindes como mais refrigerantes, sanduíches e até mesmo coisas inesperadas, como flores e bichos de bexiga.

Máquina da Gratidão

A mecânica de funcionamento é simples. O consumidor escolhe uma das três versões da garrafa de alumínio comemorativa com imagem do famoso urso e deposita no equipamento para começar a interação. A partir daí, o consumidor escolhe a quem vai presentar e grava o vídeo personalizado com vários filtros especiais de Natal.

Máquina da viagem para Ibiza

Basicamente, a marca instalou uma vending machine no centro da cidade que conversava com os pedestres. Aqueles que paravam para lhe dar atenção eram convidados para participar de uma festa que acontecia naquele mesmo momento no Ushuaia Ibiza Beach Hotel, localizado na badalada ilha espanhola de Ibiza.

Máquina da união entre Milan e Inter

A marca desenvolveu a “Fair Play Machines”, máquinas instaladas nos arredores do estádio San Siro e criadas pela McCann de Milão. Elas continham um botão e um visor. Na tela, os torcedores conseguiam ver e ouvir os rivais passando do outro lado do estádio. “Compartilhe uma Coca com um torcedor do Inter”, dizia o botão na vending machine do lado milanista. A mesma máquina pedia o contrário para os torcedores do Inter de Milão.

Desafios e oportunidades dos BOTS no mercado brasileiro

23 de Janeiro de 2017 

bots

Para quem ainda não está familiarizado com o termo, os BOTS ou Chatbots são “robôs” que utilizam a inteligência cognitiva para conversar com os usuários. O sistema ficou ainda mais popular após o Facebook anunciar o seu próprio assistente virtual no ano passado. O movimento já é refletido nas ações de agências e marcas, que se preparam para utilizar as ferramentas e melhorar sua prestação de serviço e relacionamento com os consumidores.

No ano de 2016, por exemplo, a Outra Coisa, empresa de experiências e soluções digitais do Grupo Artplan, somou forças com a agência Artplan para desenvolver uma unidade de negócios especializada em BOTs, a Heartframe BOTs. A união das expertises tem como objetivo construir uma comunicação mais agradável e pessoal, aproximando as marcas de seus clientes.

Confira abaixo um papo com Fernando Tche, cofundador da Outra Coisa, sobre o uso dos BOTS e o amadurecimento do mercado brasileiro no assunto:

As marcas já estão familiarizadas com a linguagem e os recursos de BOTs?

Estamos no início de uma longa jornada. Marcas mais inovadoras já estão usando os BOTs nos aplicativos de conversa, como o Messenger e Telegram, mas ainda há muito espaço para crescimento.

Quais são as principais possibilidades e funcionalidades dessa nova ferramenta?

O crescimento no Brasil está se dando muito no atendimento a clientes e na distribuição de conteúdo, como ação de marketing. Mas o que nos deixa mais empolgados é a possibilidade de criar um relacionamento com um cliente ao prestar um serviço relevante e, depois de criada a intimidade, oferecer o produto que atende exatamente a necessidade dele. A gente vê os BOTs como grandes impulsionadores do e-commerce nos próximos anos.

Quais são os casos mais interessantes que você já viu na prática?

Gosto do caso da Domino’s, na Inglaterra, que criou um BOT chamado DOM. No perfil do DOM basta você se cadastrar e colocar sua pizza predileta. Depois que o DOM vira seu amigo no Facebook Messenger, basta você mandar a palavra “pizza”, que ele te responde mais ou menos assim : “Oi Fernando, posso enviar aquela Calabresa para sua casa?”. Você responde “sim” e a pizza vem. Ou seja, estamos a uma palavra de uma venda, sem precisar baixar um aplicativo ou entrar em um site. É muito conveniente.

Quando há abertura do check-in do seu voo na KLM, o BOT lhe envia uma mensagem para saber se você quer que ele te envie o bilhete e pronto.

Outros dois casos que a gente gosta são dois projetos de autoria da Outra Coisa. O primeiro nós fizemos para a Coca-Cola no Natal, onde você podia criar uma garrafa customizada homenageando uma pessoa importante. Em algumas regiões você podia, inclusive, encomendar a garrafa física e entregar na casa da pessoa querida. Este BOT foi criado na página oficial da Coca-Cola Brasil. É o primeiro BOT da Coca-Cola. E também tem o BOT que criamos para o G1, no Telegram, onde jovens podem usar um robô para estudarem para o Enem. Neste caso, o BOT é uma ferramenta de mobile learning.

Os BOTs já estão sendo bastante utilizados pelo público ou muita gente ainda não conhece?

A grande maioria das pessoas ainda não conhece.

Qual é o seu potencial em termos de engajamento com o consumidor?

Existe uma realidade (que não é mais tendência) que é o design conversacional. As pessoas ficam mais engajadas quando elas conversam ou interagem com algo do que quando elas entram nos tradicionais portais. O ser humano, cada vez mais carente, quer interação, quer sentir que aquilo é feito pra ele. Os BOTs representam esta lógica e isto os deixa mais poderosos.

Como funciona essa área especializada nos BOTs dentro da Artplan (e Outra Coisa)?

A gente usa a expertise em tecnologia e user experience da Outra Coisa com a redação publicitária, que dá vida e personalidade aos BOTs, da Artplan.

Quer acrescentar alguma observação?

Pra você ter uma noção de como isto vai crescer, neste exato momento estamos fazendo o BOT do cantor Roberto Carlos no Facebook Messenger, que possui uma fã clube com uma faixa etária bem mais alta do que se imagina para algo tão novo

http://adnews.com.br/tecnologia/desafios-e-oportunidades-dos-bots-no-mercado-brasileiro.html

Google lança novo formato de anúncio em vídeo para YouTube

 

26 de abril de 2016 · Atualizado às 14h08

O Google anunciou hoje (26) um novo formato de vídeo para anunciantes no YouTube. Batizada de “Bumber Ads”, a novidade foi criada a partir de uma pesquisa que chamou a atenção da gigante para o fato de que metade das pessoas entre 18 e 49 anos prefere a experiência assistir vídeos em dispositivos móveis. Focando nesse insight e na dinamicidade do consumo online, o novo formato permite a criação de conteúdos com seis segundos de duração.

Segundo a empresa, o Bumber Ads é o formato ideal para marcas que desejam complementar suas estratégias para construir awaraness, como em campanhas promocionais, lançamento de produtos e ativações com budget reduzido que exigem alcance em um espaço de tempo menor. O Google faz questão de destacar que o novo recurso não substitui as possibilidades de publicidade em vídeo já oferecidas, como o TrueView (formato de 30 segundos ou mais que pode ser pulado), e sim surge para complementar as campanhas no YouTube.

A primeira marca a testar o formato no Brasil é a Coca-Cola, com o comercial que pode ser visto a seguir:

Redação Adnews – http://www.adnews.com.br/internet/google-lanca-novo-formato-de-anuncio-em-video-para-youtube

Esqueça o “Abra a felicidade”: Coca quer que você “Sinta o Sabor”

Como uma espécie de piada interna, numa roda de publicitários, costuma-se se dizer que a Coca-Cola praticamente patenteou o conceito de “felicidade” na propaganda e fez dessa palavra o DNA de sua comunicação. Agora, sete anos após o lançamento da assinatura “Open Happiness”, para evitar o desgaste, a marca criou um novo posicionamento global.

Com “Taste the Feeling” ou “Prove o Sentimento” na tradução, a Coca-Cola volta a colocar o produto no centro de seus comerciais, sem deixar de lado a sua abordagem humana e emocional. “A grandeza da Coca-Cola reside no fato de que é um prazer simples, de modo que quanto mais humilde formos, maior seremos. Queremos lembrar as pessoas sobre o porquê elas adoram o produto tanto quanto amam a marca”, disse o CMO da empresa, Marcos de Quinto. No fim das contas, o direcionamento é bem básico: celebrar a experiência de beber uma Coca-Cola gelada.

Além disso, numa grande mudança estratégica, a indústria de refrigerantes anunciou hoje (19), num evento em Paris, que pela primeira vez vai unir todas as marcas, incluindo a Coca-Cola Zero, no mesmo projeto de comunicação. “A ideia é reforçar que a Coca-Cola é para todos”, disse o executivo.

Para lançar a campanha no âmbito global, diversas agências já começaram a criar as peças para todas as mídias, incluindo os comerciais de TV. Entre elas, Mercado-McCann, Santo, Sra. Rushmore e Oglivy & Mather. No Brasil, o lançamento ficou sob responsabilidade da J.Walter Thompson e a Mutato, que também é uma agência do grupo JWT, produziu um trabalho especial para a plataforma de comunicação em tempo real da Coca-Cola. Ao todo, são 20 vídeos de 15 segundos chamados de “Thirstygrams”, que serão veiculados no Instagram da marca em vários países.

Confira abaixo alguns dos primeiros comerciais da nova proposta da gigante das bebidas. O primeiro deles abre a nova série. Já o segundo, conta com um detalhe especial: o cover de “Under Pressure”, de Queen e David Bowie

Redação Adnews – 19/01/2016

http://www.adnews.com.br/publicidade/esqueca-o-abra-a-felicidade-coca-agora-quer-que-voce-prove-o-sentimento

Coca-Cola transforma suas embalagens em Cardboard

Desde que o Google lançou o Cardboard, seus óculos de realidade virtual feitos a partir de papelão, começaram a surgir ideias de conteúdos ou mesmo outras versões do dispositivo para permitir que cada vez mais pessoas possam vivenciar a experiência imersiva.

Até a companhia do refrigerante mais famoso do mundo entrou na brincadeira e deu indícios de que o mercado de VR, que está em constante expansão, também a interessa. A Coca Cola lançou um vídeo que mostra suas embalagens sendo transformadas em uma espécie de Cardboard de três formas diferentes.

Em um texto publicado em seu site oficial, a Coca Cola Company fala sobre a importância da realidade virtual, citando exemplos como a própria criação do Google e o Oculus Rift, do Facebook. Na mesma publicação a empresa divulga o vídeo que mostra a customização de seus óculos, apesar de não dar detalhes sobre o lançamento da novidade de fato.

Confira o experimento:

 

Redação Adnews – 26-02-2016

http://www.adnews.com.br/tecnologia/coca-cola-transforma-suas-embalagens-em-cardboard

Anúncio da Coca-Cola só pode ser visto por daltônicos

Se você conseguiu ler a palavra “Life” na imagem acima, você acaba de ser diagnosticado com daltonismo. É exatamente essa a proposta da campanha criada pela agência Essencius para divulgar a Coca-Cola Life, uma versão mais saudável do tradicional refrigerante.

Um outdoor instalado na Dinamarca expos a imagem que segue o padrão de testes oftalmológicos conhecidos como Ishihara. Nelas, são impressas figuras ou palavras que só podem ser vistas por pessoas daltônicas, ou seja, incapazes de diferenciar algumas cores. No caso da peça, se revelada a palavra e todo o sentido da campanha.

Quem passava pelo painel era desafiado a ler a palavra inscrita na imagem que, naturalmente, despertou a curiosidade do público.

Além da ação out of home, a campanha ganhou espaço em anúncios online e nas redes sociais da marca.

Redação Adnews – 04 de janeiro de 2016 · Atualizado às 14h45

Coca-Cola é a primeira a lançar filme 360˚ no Facebook

Em menos de 4 dias, a animação atingiu quase 150 mil visualizações e 1.500 compartilhamentos.

“O formato permite transportar as pessoas para dentro do universo do curta e a linguagem 360 torna essa experiência única. Sabemos da preferencia do target da Coca-Cola pela nossa plataforma o que, associado ao nosso alcance, possibilita que a marca atinja seus objetivos”, completou Malu López, Diretora de Negócios do Facebook no Brasil.

A elaboração da animação, feita pela produtora Zombie, envolveu 35 pessoas durante um mês. Cada um dos 40 personagens tinha de ter sincronismo de ação para interagir com a narrativa da história. “Tivemos de trabalhar com resolução 4k, o que é extremamente alto para animação, mas essencial para garantir a sensação de realidade dessa história virtual”, afirma Paulo Garcia, cofundador e Chief Creative da Zombie Studio.

Ficha Técnica

Cliente: Coca-Cola

Agência J. Walter Thompson

Produto: Coca-Cola

CCO: Ricardo John

CSO: Fernand Alphen

Head of Art: Fabio Simões

Head of Digital: Fábio Simões

Direção de Criação: Gustavo de Lacerda e Gustavo Soares

Roteiro/Argumento: José Roberto Torero, Ricardo John, Gustavo Soares

Redator: Julia Velo, Ana Cavalcanti e Guilherme Nesti

Diretor de Arte: Gustavo de Lacerda, Pablo Lobo, Ricardo Kawano, Fernanda Sousa, Ilka Freitas, Pedro Coelho, Pedro Ricci.

Atendimento: Felipe Giacon, Stefano Paduan, Daniel Rybak

Gerente de Projetos: Thiago Segundo, Richard Wolter, Marina Masiero

Mídia: João Dabbur, Camila Bertoli, Stella Lopes, Beatriz Luna, Ligia Mattos, Allan Gomes, Juliana Magalhães, Mariana Santos

Planejamento: Isabella Mulholland, Sara Silva, Gisele Bambace

Diretora RTV/Artbuyer: Marcia Lacaze

Produtora RTV/Artbuyer: Marcia Lacaze, Ana Mello

Produção Digital: Maisa Delgado, Sergio Costa

Clientes: Adriana Knackfuss, Marcelo Pascoa, Bianca Rosenberg, Patricia Pieranti, Vinicius Limoeiro, Andreia Rebello, Carla Dart

 

Produtora: Spray Filmes

Direção: Fernando Grostein Andrade

Co Direção: Raoni Rodrigues

Direção de Fotografia: Blasco Giurato

Diretor de Fotografia 2ª unidade: Bruno Vieira

Produção Executiva: Luiz Ferriani Nogueira e Roberta Reigado

Atendimento: Lucia Leite, Daniele Pizzo e Carla Onishi

Diretora de Arte: Claudia Calabi

Edição: Raoni Rodrigues, Caio Saad, Renan Cipriano e Kelvin Freitas

Finalização: Lili Carvalho, Driano Torres, Regina Mimi Yokota

Pós Produção: Raoni Santos, Zombie Studio e Dot Cine

 

Produtora de Animação: Zombie Studio

Produtora de Som: B.A.start

Trilha Original: Lucas Lima

Mixagem e finalização de som: Pedro Lima (WeCanDo Audio Post)

Locução (Trailer): Walker Blaz

Redação Adnews – 08 de dezembro de 2015

http://www.adnews.com.br/internet/coca-cola-e-a-primeira-a-lancar-filme-360-no-facebook