Consumidores esperam que a tecnologia traga autonomia nas compras

A tecnologia mudou o comportamento do consumidor, que ficou mais exigente. De acordo com pesquisa realizada pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), em parceria com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), 41% dos brasileiros esperam que a tecnologia proporcione mais autonomia no consumo e 26% mais prazer ao realizar as compras.

Por outro lado, 28% dos entrevistados afirmaram que se sentem desconfortáveis com essas novas ferramentas porque preferem o contato com atendentes e vendedores e 17% acreditam que os produtos ficaram mais caros devido à tecnologia.

Entre as novidades tecnológicas mais utilizadas para a realização de compras estão os aplicativos, com 67% da preferência; seguidos pelos pagamentos com máquinas portáteis, utilizados por 65%, e o atendimento por meio de chatbots e assistentes automáticos, com 62%.

Segundo o estudo, outras tecnologias como a realidade aumentada, que por meio de QR code fornece informações detalhadas sobre produtos ou serviços; os pagamentos feitos por aproximação de celular, smartwatch ou pulseiras; provadores virtuais em sites, lojas físicas ou aplicativos e a realidade virtual que simula o uso de um serviço (são menos conhecidas e utilizadas, com, respectivamente, 27%, 22%, 19% e 12% de uso.

Os resultados da pesquisa também mostram que os consumidores concordam que a tecnologia proporciona economia de tempo (67%), facilita o acesso à informação (65%), simplifica as compras (61%), a conexão com outras pessoas (58%) e o deslocamento pela cidade (58%).

Além disso, nem todos os pesquisados concordam com a existência de alguns pontos negativos. 65% dos respondentes discordam que a tecnologia faça eles se sentirem vigiados ou sem privacidade, 72%  não acreditam que ela os façam gastar mais dinheiro e 71% que cause estresse pela exposição intensa a e-mails e redes sociais.

“As novas tecnologias impactam de muitas maneiras o cotidiano das pessoas. O consumidor espera que elas tragam autonomia, rapidez e segurança em suas compras. Cabe às empresas repensarem suas estratégias e se adequarem a esse novo cliente conectado”, afirmou José César da Costa, presidente da CNDL.

Com o digital, os consumidores esperam mais agilidade e qualidade no atendimento. Sendo assim, as empresas precisam investir em ferramentas capazes de tornar os processos mais rápidos e eficientes. 63% dos entrevistados acreditam que agilidade no atendimento é o principal diferencial de uma companhia. Para 55% dos consumidores, a experiência omnicanal é o principal, já que contam com a opção de fazer uma compra online e retirar o produto em uma loja física.

Já 42% dos consumidores desejam que as lojas tenham WiFi grátis, 42% querem a disponibilização de catálogos virtuais e 38% anseiam por um atendimento personalizado, considerando gostos e interesses pessoais.

Neste processo de transformação digital, o smartphone é principal dispositivo usado para conexão com a internet, indicado por 86% dos entrevistados. De modo geral, 96% dos entrevistados possuem ao menos um aplicativo instalado no seu smartphone. Os mais baixados são os aplicativos de mensagens (82%), seguidos pelas redes sociais (77%) e aplicativos para compartilhamento de vídeos (66%). Em seguida aparecem os buscadores de informações (62%), serviços de transporte (61%), aplicativos de bancos (59%) e de geolocalização (58%).

Tecnologias como realidade virtual, inteligência artificial, sensores biométricos e dispositivos de geolocalização são percebidas como benéficas, uma vez que 20% dos entrevistados consideram que elas facilitam a vida das pessoas, 14% dizem que trazem agilidade e 14% que elas ajudam em momentos de necessidade.

Mas a tecnologia mais unânime entre os que testaram é a realidade virtual, já que 90% indicam que ela contribui em alguma medida para a decisão de compra de um produto ou serviço. É importante observar que ela tem grande potencial para crescer, pois apenas 12% dos pesquisados tiveram alguma experiência com ela.

Para 49% dos entrevistados a possibilidade de vivenciar ou simular o item é que mais os auxiliam a comprar ou se interessar por um produto, enquanto 34% citam a possibilidade de poder experimentar vários produtos e situações diferentes.

“Quanto mais os consumidores tiverem a oportunidade de experimentar essa tecnologia, maior a chance de perceberem todos os benefícios que os produtos oferecem. As empresas têm um papel essencial para explorar as diversas aplicações da tecnologia a fim de ajudá-las a se manter cada vez mais conectadas com os clientes. Uma experiência de realidade virtual imersiva com uma simulação de compra pode ser capaz de potencializar a capacidade de vendas de uma empresa”, disse Costa.

A pesquisa mostra que 78% da população possuem pelo menos um aparelho com sensores inteligentes, como Smart TVs (67%), aparelhos para cuidados com a saúde (31%), impressoras e scanners sem fio programadas à distância (21%), luzes com sensores de presença (18%) e câmeras de segurança com conexão ao celular (14%).

As principais razões apontadas pelos entrevistados para a posse desses itens são a comodidade, por tornar a vida mais fácil e produtiva (51%), a melhora na qualidade de vida (46%), a segurança (42%) e a economia de tempo (32%).

“A chamada ‘Internet das Coisas’ é um caminho sem volta e impacta diferentes territórios da vida humana, e não somente as relações de compra e consumo. No Brasil, o interesse das pessoas em produtos deste segmento cresce a cada ano. Uma única pessoa terá dezenas de dispositivos à sua volta, e o consumidor quer segurança e preço competitivo”, esclareceu Costa.

Por outro lado, apesar do aumento da utilização desses dispositivos no dia a dia da população, algumas barreiras ainda dificultam a aquisição e a utilização dos chamados aparelhos inteligentes nas residências. Os principais entraves apontados pelos entrevistados são o alto custo (63%), despesas com manutenção (40%), além da preocupação com a privacidade dos dados (22%) e o risco de serem atacados por hackers criminosos (21%).

Shopping Eldorado lança aplicativo para clientes

O Shopping Eldorado lançou um aplicativo oficial para clientes do centro comercial. O objetivo é trazer comodidade, incentivar as ações de relacionamento entre as lojas e os frequentadores.

“Quem baixar o aplicativo poderá acessar funcionalidades, como pagamento do estacionamento pelo celular, compra de ingressos de cinema, receber notificações com promoções e ofertas, lembrete de vaga de estacionamento, lista de lojas e serviços”, disse Lilian Piva, gerente de Marketing do Shopping Eldorado.

Novas funcionalidades serão introduzidas no segundo semestre de 2018. A expectativa é que o cliente cadastre as notas nas promoções do shopping através do QRCode, acesse o diretório de lojas, reserve mesas e até faça pedidos de pratos nos restaurantes através da ferramenta.

Por  Imprensa Mercado & Consumo – 

http://www.mercadoeconsumo.com.br/2018/05/03/shopping-eldorado-lanca-aplicativo-para-clientes

BK Express é o novo jeito que você pode comprar no Burger King

bk pagamento

O Burger King Brasil lança mais uma novidade aos seus consumidores: a função de pagamento antecipado “BK Express”. A nova tecnologia, integrada ao novo app da marca, já está disponível em alguns restaurantes da rede e a marca pretende expandí-la nacionalmente durante este ano. O objetivo é melhorar a experiência do consumidor, garantir agilidade no atendimento e a qualidade e frescor do produto.

A nova tecnologia, chamada “pedido antecipado” permite ao consumidor decidir o que pedir e como pagar – inclusive personalizando da forma que bem entender – sem precisar se preocupar em esperar na fila de pedido. “Nosso foco em digital tem por objetivo aumentar de maneira significativa a experiência dos nossos consumidores em nossas lojas – e isso inclui o processo de pedir seus produtos favoritos de maneira “express” – evitando as filas” afirma Ariel Grunkraut, diretor de marketing do BK Brasil.

O resultado dos testes da nova funcionalidade
tem sido encorajador, já que reduziu o tempo de atendimento do consumidor. A empresa já utilizava desde o ano passado tablets para pedidos em todo o seu staff de supervisores de venda em suas lojas e agora também iniciou testes com quiosques de auto-atendimento.

Como funciona

Os pedidos feitos via mobile são enviados diretamente para a cozinha no momento que o consumidor chega no restaurante e encontra uma peça de comunicação especial com um QR code, que deve ser escaneado dentro do próprio aplicativo do BK- garantindo que o produto saia fresquinho da grelha direto para o consumidor.

O Brasil é um dos primeiros países onde a marca irá lançar a funcionalidade, que é única e foi desenvolvida visando a simplicidade e garantia de que a qualidade do produto seja condizente com a marca, e já está disponível para os consumidores nos sistemas IOS e Android.

“O aplicativo BK Express é parte de uma série de inovações que estamos planejando e implantando para aperfeiçoar a experiência do nosso consumidor”, afirma Ariel. O executivo conta que o aplicativo pretende ser um hub de inovação no modelo omnichannel e tem o objetivo de proporcionar uma experiência autêntica aos clientes, cada vez mais envolvidos com tecnologia, mas sempre oferecendo produtos frescos e de qualidade.

No momento o serviço está disponível nas lojas da Avenida Paulista 633, Alphaville IL Rio Negro, Shopping Vila Olímpia, Shopping Tamboré e Parque Shopping Barueri.

http://adnews.com.br/tecnologia/bk-express-e-o-novo-jeito-que-voce-pode-comprar-no-burger-king.html

Nova edição da Harper´s Bazaar foi totalmente fotografada por celular

 

19 de Julho de 2016
Nova edição da Harper´s Bazaar foi totalmente fotografada por celular

A edição de julho da Harper´s Bazaar traz algo inédito para o mercado editorial brasileiro. A revista foi totalmente fotografada por celular, da capa a todos os editoriais.

A edição que chegou às bancas na última semana foca na tecnologia mobile. A capa, por exemplo, traz um cenário sem modelo, apenas com um QR code que permite que os leitores vejam a capa com Aline Weber pela tela do celular. A top foi clicada em clima olímpico no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

A edição, que fica nas bancas até o final de agosto, conta com direção criativa de José Cabaço, profissional que atuou como diretor de agências como Wieden + Kennedy, Young & Rubicam e Leo Burnett em países como Portugal, Holanda e Estados Unidos, assim como diretor de marcas como a Nike, Hurley e Eddie Bauer

http://adnews.com.br/midia/nova-edicao-da-harpers-bazaar-foi-totalmente-fotografada-por-celular.html

Mobilidade urbana: problema que traz oportunidade de negócios

Perdidos no caos do transporte público, nas complicadas vias e na falta de políticas públicas para mobilidade urbana encontram-se iniciativas capazes de melhorar a rotina do brasileiro, gerar lucro e, ainda, fidelizar clientes. Cansados de enfrentar tantos desafios para cumprir os compromissos diários, o público lança um olhar mais cuidadoso às questões internas e espera que as empresas estejam ao lado dele oferecendo soluções criativas e inovadoras. Esta, inclusive, é uma das tendências em consumo apontadas para América Latina pela Trendwatching, que prevê a integração do varejo ao transporte. O cenário cada vez mais conturbado e a escassez de tempo colocam a conveniência no centro das atenções.

Como boa parte do dia é desperdiçado tentando se locomover para cumprir suas obrigações, o consumidor quer iniciativas que ofereçam experiências prazerosas, mas sem perder o tão desejado tempo. Este, inclusive, mudou de referência quando a sociedade incorporou a tecnologia ao dia a dia. O recurso que sufoca a população com tanta informação e que a angustia parecendo que não conseguirá dar conta de tantas tarefas é o mesmo que permite que as pessoas comprem e se aventurem por qualquer lugar mesmo quando estão presas no trânsito. Pensando neste público que foi desenvolvido um aplicativo que permite ao shopper fazer compras de supermercado pela internet, com a facilidade de recebê-las em casa. O Mercode é um market place onde é possível comprar produtos de açougue, hortifrúti, mercearias, empórios e supermercados com poucos cliques.

Apesar de já estar completamente no ambiente digital, o que já facilita a operação, os diretores da empresa resolveram inovar ao instalar gôndolas virtuais em estações de metrô de São Paulo. Com o dispositivo, as compras podem ser feitas através da leitura de QR Code pelo celular, de maneira simples, ágil como apresentado na ação. “A ideia é impactar o consumidor e estimulá-lo a fazer compras pela internet, principalmente aqueles que ainda não estão habituados. Com essas iniciativas conseguimos aumentar o número de downloads do aplicativo em 100%. O setor supermercadista é o mais atrasado no varejo em questões digitais e queremos mostrar que é possível fazer compras de mercado, como comida e frutas, pela internet com toda a conveniência para quem não quer perder horas fazendo isso”, explica Fabio Campos, Sócio Diretor do Mercode, em entrevista ao Mundo do Marketing.

O mundo sobre duas rodas
É justamente para tentar poupar o tempo que as bicicletas estão cada vez mais fazendo parte da realidade dos brasileiros. Não por acaso, o país é o quinto maior mercado consumidor de bicicletas no mundo, atrás da China, Estados Unidos, Japão e Índia, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Bicicletas (Abraciclo). Impulsionados pelas pedaladas, algumas empresas estão enxergando grande potencial nos consumidores que andam sobre duas rodas. Foi com por conta desse olhar que surgiu a Ciclomídia, que tem a missão de solucionar os problemas enfrentados por ciclistas que não encontram o local ideal para deixar as bicicletas enquanto fazem suas compras.

A empresa nasceu da necessidade vivida pelo fundador Edu Grigoletto, que passou a utilizar a bicicleta para ir ao trabalho e com a nova rotina começou a enxergar a cidade de outra maneira. O novo hábito despertou o interesse para áreas que ele até então desconhecia, como livrarias, sebos, lanchonetes. “Comecei a ir para todos os lugares de bicicleta, inclusive, ao mercado, mas não encontrava uma área para deixá-la. Em alguns, a receptividade também não era das melhores. Durante as minhas experiências, comecei a enxergar que esses estabelecimentos ainda não viam essas pessoas como consumidores e resolvi pesquisar soluções para tentar resolver esse problema”, explicou o CEO da Ciclomídia, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Foi a senha para a instalação de bicicletários que leva novos consumidores aos estabelecimentos e contribui para que as empresas ganhem pontos ao entrar para o grupo das bike friendly. A unidade Vila Olímpia (SP) do restaurante Hooters, por exemplo, apostou na instalação de paraciclos para sinalizar que também aposta em ações sustentáveis. A iniciativa gerou pequeno aumento no faturamento nos domingos e feriados, dias em que a CicloFaixa é instalada em São Paulo, mas os ganhos de imagem foram os principais dividendos colhidos pela iniciativa. “A faixa temporária ajuda a movimentar a região, mas sabemos que é uma questão cultural. O aumento da oferta de áreas exclusivas para os ciclistas pode melhorar ainda mais o movimento no comércio”, vislumbra o empresário Marcel Gholmieh, Sócio Diretor do Hooters, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Roupas especiais para os ciclistas urbanos
De olho neste público crescente, a Levi’s lançou em 2011 uma linha exclusiva para quem usa a bicicleta como meio de transporte. As peças são produzidas com material altamente tecnológico, que traz características necessárias para quem precisa ter mais mobilidade durante a pedalada. São calças sociais, jeans, camisas, jaquetas, casacos e bermudas produzidos com tecidos repelente a água e poeira, com tecnologia antimicrobiana para repelir odores, com refletividade para segurança, tecidos termorreguladores, para evitar o suor excessivo provocado pelo calor.

As peças foram desenvolvidas em parceria com ciclistas para oferecer todas as funcionalidades de quem precisa utilizar este meio de transporte. Por isso, a linha Commuter conta com detalhes de design adicionais, que incluem suporte traseiro para a trava da bicicleta, bolsos utilitários discretamente posicionados, bainha traseira mais baixa nas blusas, e cinturas mais altas nas calças, ou seja, tudo especificamente pensado para quem inclui a bicicleta em seu dia a dia e não apenas nos momentos de atividade física.

Neste ano, a Levi’s fez o lançamento global da versão feminina da linha, que também já chegou no Brasil. Por aqui, as peças Commuter estão disponíveis em todas as lojas da rede e ainda há a possibilidade dela ser comercializada em estabelecimentos exclusivos para ciclistas.

“Esses produtos têm uma tecnologia a mais e que se comparados a uma calça jeans normal são mais caros. É por isso que estamos mudando a nossa estratégia para buscar o ciclista o urbano, que entende esses atributos e que estão dispostos a pagarem um pouco mais por isso”, explica Marina Kadooka, Coordenadora de Marketing da Levi’s Brasil, em entrevista ao Mundo do Marketing

Por Roberta Moraes, do Mundo do Marketing | 12/05/2015

http://www.mundodomarketing.com.br