Youtube anuncia a exibição dos vídeos na vertical em tela cheia

23 de Junho de 2017 14h – Atualizado às 14:23

youtubiu

O YouTube anunciou novidades no seu aplicativo. Enquanto a plataforma consegue reproduzir vídeos verticais em modo de tela cheia há alguns anos, a atualização permite que o aplicativo exiba melhor o vídeo vertical, no mini-player, o que significa que você pode rolar para baixo e ver comentários ou vídeos relacionados. Na verdade, o YouTube diz que o vídeo irá “se adaptar dinamicamente a qualquer tamanho que você escolher para assistir”, então outros índices também verão uma melhoria (como assistir a um vídeo em um tablet de 3:2).

Outra novidade é a ferramenta que possibilitará uma nova forma para compartilhar e comentar – em tempo real – no próprio Youtube. Nela, você poderá interagir com seus amigos, enviando vídeos e trocando mensagens, como no WhatsApp, sem precisar sair do Youtube. A empresa anunciou ainda que os usuários da América latina serão os primeiros a receber a função.

 

Facebook cria dispositivo inteligente para facilitar chamadas em vídeo

02 de Agosto de 2017 1 

face

Um alto-falante touchscreen conectado ao lar está em fase de testes pelo Facebook. O dispositivo de tela sensível (do tamanho de um lap top) foi projetado para ajudar as pessoas a fazerem chamadas de vídeo da sua casa no que aparentemente é um “pézinho” da rede social na Internet das Coisas. O recurso permite que a câmera explore automaticamente quem estiver ao seu alcance e foque nela(s), disse uma das fontes. Por exemplo, a câmera pode ampliar uma pintura que uma criança trouxe para casa da escola para mostrar a um pai em uma viagem de negócios.

Também faz parte dos projetos em desenvolvimento uma câmera de 360 ​​graus para o dispositivo, que ainda segundo fontes é improvável que esteja pronto a tempo para o lançamento. Ambas as facilidades são desenvolvidas pelo Edifício 8 do Facebook, a nova divisão da rede social sendo liderada pela ex-Google Regina Dugan, que anteriormente liderava o grupo de tecnologia e projetos avançados (ATAP) no site de pesquisas.

Dugan falou na conferência F8 em abril. No evento a executiva disse que o objetivo era “criar e enviar novos produtos de consumo que definissem categorias que sejam sociais em primeiro lugar”. Falou sobre como a tecnologia facilitou a conexão, mas também como confinou pessoas em seus telefones, muitas vezes deixando de interagir tanto com o mundo físico.

Ao site Bloomberg fontes indicaram quem o aparato será adaptado para a sala de estar, apresentará uma lente de câmera grande, microfones e alto-falantes que são alimentados por inteligência artificial para aumentar o desempenho. Ainda ao Bloomberg, as fontes sinalizaram que o Facebook considerou executar uma versão do sistema operacional Android em seu dispositivo e não construir seu próprio sistema operacional.

http://adnews.com.br/tecnologia/facebook-cria-dispositivo-inteligente-para-facilitar-chamadas-em-video.html

“Modo retrato” é destaque em comercial apaixonado de iPhone 7 Plus

02 de Maio de 2017  

iphone 7 plus

A nova campanha da Apple, para divulgar o iPhone 7 Plus, é uma alusão aos apaixonados que só tem olhos para os respectivos seres amados. Com o mote “Foque no que você ama”, o vídeo mostra as possibilidades para quem quer fotografias de alta qualidade, com as vantagens da câmera dupla instalada na parte traseira do lançamento. O vídeo mostra isso na prática, destacando um casal que só enxerga um ao outro numa grande cidade.

O resultado é nítido: assim que se ativa o modo retrato do iPhone 7 Plus, tudo o que existe além das pessoas a serem fotografadas é eliminado do local —  uma referência direta ao fato de que todo o foco das fotografias fica justamente no objeto central a ser capturado.

O filme, gravado em Shangai reforça, no seu desenrolar, com ruas vazias e cenários que parece nunca terem sido vistos sem filas ou um mar de gente, o quanto essas fotos podem proporcionar algo que uma cidade destas proporções tenta negar: intimidade.

http://adnews.com.br/internet/modo-retrato-e-destaque-em-comercial-apaixonado-de-iphone-7-plus.html

Porta dos Fundos ironiza o universo dos aplicativos

06 de Julho de 2017  

porta

O coletivo de humor Porta dos Fundos criou um vídeo que ironiza o mundo dos aplicativos e o quanto aparentemente podemos ter passado dos limites com esta ferramenta. No filme, três amigas se reúnem para contar as novidades do dia a dia, onde basicamente, todas as funções podem ser facilmente executadas em um ou dois cliques pelos aplicativos. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência, confira:

Infográfico aponta 10 tendências ditadas pelo iPhone

14 de Junho de 2017 

iphone

O próximo dia 29 de junho marca o 10º aniversário do primeiro smartphone multi-touch do mundo, o iPhone. Por isso, a Shutterstock preparou um infográfico celebrando esse marco histórico a fim de mostrar como o iPhone revolucionou o design, a fotografia e as comunicações visuais na última década. A empresa sente “na pele” esse impacto com estimados 1,5 milhão de uploads via iPhone na plataforma em 2017. Confira no anexo as 10 tendências moldadas pelo icônico produto:

Relatório da Adobe mostra que anunciantes ainda derrapam em publicidade digital

06 de Junho de 2017  

digital

Em seu Relatório sobre Vídeos Digitais de 2017, a Adobe observa um crescimento de 53% – entre outubro de 2015 e dezembro de 2016 – nas impressões de anúncios em vídeo em plataformas mobile, revelando uma grande oportunidade para os anunciantes com este tipo de publicidade. O estudo, conduzido pela equipe da Adobe Digital Insights (ADI) na América do Norte, entretanto, aponta uma grande barreira para a adesão a essa estratégia: o custo.

De acordo com a ADI, de 2014 a 2016, os custos com anúncios em vídeo digitais cresceram 13% e o movimento de alta fica atrás apenas do observado para anunciar no Super Bowl (21%). Isso reflete na baixa atividade dos anunciantes no que diz respeito à utilização de vídeos digitais para publicidade: dentro de um período de 15 meses, a média de impressões observadas ocupa cerca de 3,7 meses, o que representa apenas cerca de 25% do tempo.

Quando analisado o custo por mil impressões (CPM) nas TVs com dispositivos conectados – as TVCDs, que incluem SmarTV, consoles gamers e set-top-boxes, como a Apple TV –, o valor é o dobro do que o CPM de anúncios em dispositivos móveis. Além disso, os custos de publicidade em vídeo são maiores do que os de mobile search CPC (custo por clique) e mobile display. Esse retrato, segundo o relatório da ADI, faz a publicidade digital em vídeos superar a inflação em 6,5 vezes na América do Norte.

Desktop vs. Mobile

No Relatório sobre Vídeos Digitais 2017, a ADI analisou também a experiência dos anúncios em vídeos em dispositivos desktops e móveis. As visualizações das publicidades em desktop caíram 27% na comparação de 2015 com 2016, enquanto as impressões no mobile aumentaram 53% durante o mesmo período. Ademais, 60% desses anúncios em dispositivos móveis são assistidos até o fim, número que cai para menos da metade (47%) nos desktops, mostrando um gap de 13% entre esses canais.

“A representatividade mobile aumenta sobre o desktop, assim como os usuários de dispositivos móveis também crescem. Como o público migrou de dispositivo, a tendência é que o canal de comunicação do marketing migre junto com a audiência”, destaca Federico Grosso, vice-presidente da Adobe para América Latina

Tamanho realmente importa?

Enquanto se discute a o investimento de publicidade digital em vídeos em plataformas mobile e desktop, uma outra oportunidade se apresenta aos anunciantes: o consumo de vídeos em telas grandes. Dentro do fenômeno da TV Everywhere (TVE), a audiência está migrando dos dispositivos móveis para telas maiores, como as TVCDs, mostra o estudo da Adobe. Segundo os dados agregados e anônimos do Adobe Primetime, a audiência do TVE móvel diminuiu em share de 54% para 46% nos últimos dois anos. Enquanto isso, os dispositivo conectados em TV agora totalizam 32% da audiência, mais de 20% em comparação a dois anos atrás.

“Os profissionais de marketing precisam ficar de olho no espaço que se revela nas TVs conectadas. Ainda em crescimento, pode se apresentar dentro em breve como um importante mecanismo de publicidade para as marcas e este é o melhor momento para testá-lo”, opina o VP.

A análise da Adobe Digital Insights é baseada em mais de 4 bilhões de autenticações de TV Everywhere e a partir de mais de 300 websites e aplicativos que sirvam como ponto de acesso na América do Norte. Os dados – anônimos – foram compilados a partir de diferentes soluções da Adobe Experience Cloud entre janeiro de 2015 e janeiro de 2017. O Relatório sobre Vídeos Digitais 2017 completo da ADI pode ser acessado aqui.

http://adnews.com.br/internet/relatorio-da-adobe-mostra-que-anunciantes-ainda-derrapam-em-publicidade-digital.html

O Futuro dos Vídeos Mobile

 

30 de Março de 2017

futuro mobile

Uma pesquisa recente apontou que 49% dos vídeos assistidos online na América Latina foram exibidos em smartphones (37%) e tablets (12%). Ainda assim, li esses dias que a era do ‘Mobile Video’ ainda está engatinhando no Brasil. De fato, apesar de já estar bem claro que, no mobile, a publicidade em vídeo é um dos formatos preferidos dos anunciantes e dos consumidores, conforme falamos aqui, ainda temos muito que aprender.

As agências e os anunciantes ainda estão aprendendo a se comunicar por meio de vídeos que são exibidos em dispositivos mobile com telas menores e plano de dados limitados, estão aprendendo que, nesta plataforma, 30 segundos é muito tempo, estão aprendendo que no mobile a mensagem é entendida de maneira mais rápida – 34% da mensagem é entendida em 5 segundos, e 74% em 10 segundos – e estão aprendendo que dá para fazer mais com menos, já que que os consumidores estão abertos a produções mais simples pois estão sendo impactados o tempo todo por seus amigos e familiares fazendo vídeos do sofá de casa ou de dentro do carro.

O mercado em geral está aprendendo que o conteúdo, a criatividade e a adaptação ao meio são os maiores fatores de sucesso. Mas então, se nós temos que nos adaptar ao meio, por que ainda não estamos produzindo vídeos verticais?

Tem um monte de gente que já tem a resposta pronta: Vídeos foram feitos para serem vistos horizontalmente porque o nosso campo de visão é horizontal, as telas de cinema e as TVs são horizontais e etc. Ok, vamos nos lembrar por um momento de que as TVs já foram quadradas e que as telas pequenas e verticais, como as telas dos nossos celulares, são vistas em sua totalidade pelo nosso campo de visão ‘horizontal’, inclusive, com menos interferência da nossa visão periférica.

Apps como Snapchat, Periscope, Instagram tornaram o vídeo vertical uma realidade e os milhões de usuários destas redes não parecem se incomodar com isso. Até o Facebook e o Youtube aceitaram o fato e desde 2015 dão suporte aos vídeos verticais e, nesta semana, o Stories do Facebook foi lançado, ou seja, teremos ainda mais usuários produzindo e assistindo vídeos verticais.

Os smartphones mudaram a maneira como nos conectamos com os nossos amigos, mudaram os hábitos de consumo dos consumidores, mudaram o comportamento das pessoas e também mudaram a forma como vemos e gravamos vídeos. Os smartphones foram projetados para serem utilizados verticalmente e com uma mão só, visto que a experiência do usuário fica mais cômoda e prática desta forma. As pessoas simplesmente não giram seus celulares. Quando foi a última vez que você flagrou um amigo percorrendo o feed do Facebook/Instagram ou digitando uma mensagem no What’s App segurando o celular horizontalmente?

Entendemos que os usuários estão dispostos a usar o celular na horizontal para ver ou fazer algo que seja do interesse deles, jogar um game mobile, por exemplo, ou assistir ao Netflix. Porém, girar o celular para ver um anúncio é mais difícil de acontecer, segundo o Snapchat, os anúncios de vídeos verticais tem 9x mais views do que os anúncios de vídeos horizontais.

Aparentemente, até hoje, nada de muito espetacular foi gravado verticalmente, mas talvez seja porque ainda não existisse o incentivo correto para que os vídeos verticais fossem bem produzidos e editados. Os consumidores amam vídeos verticais. Quer um incentivo melhor que este?

Se você pensar bem, o layout vertical tem sido utilizado há bastante tempo. Belas obras de arte, praticamente todos os livros e revistas, inúmeras intervenções artísticas revolucionárias dos últimos 200 anos.

Os vídeos verticais já estão dominando grande parte do ambiente mobile e é melhor as marcas e as agências começarem a se preparar para as oportunidades e os desafios envolvidos, é uma forma diferente de se pensar, mas pode ser muito poderoso e gratificante, se bem feito. E enquanto engatinhamos em vídeos mobile e continuamos produzindo vídeos horizontais, talvez seja melhor escolher o momento que o celular já está na horizontal, assim “poupamos energia” dos consumidores e garantimos que o vídeo seja exibido da maneira correta

http://adnews.com.br/adarticles/o-futuro-dos-videos-mobile.html